Por Wellington Farias

A campanha para prefeito de João Pessoa descamba para o esgoto, nesta reta final.
Na batalha dos ataques, o golpe mais rasteiro foi desferido contra o candidato Nilvan Ferreira (MDB), através de uma panfletagem maciça em que até a memória de um comunicador falecido foi aviltada. E ai pode estar o equívoco da sórdida campanha, cujo tiro parece ter saído pela culatra…

Milhares de panfletos apócrifos (sem identificação de autores ou responsáveis) foram distribuídos em várias regiões e bairros de João Pessoa, com o seguinte título: “Nilvan faliu Bayeux e agora quer quebrar João Pessoa”.

Na sequência vem o pequeno texto: “Nilvan diz que não é político, mas foi o braço direito do desastroso governo de Jota Júnior na cidade vizinha. Uma gestão amadora que quebrou a Prefeitura de Bayeux. Nilvan e Jota Júnior acabaram com mais de 80% de reprovação”.

A mensagem do panfleto conclui: “Governar uma cidade não é trabalho para amador”.

Tiro no pé

Se porventura esta investida de campanha surtiu algum efeito, com toda certeza não terá sido o esperado pelos ardilosos criadores. Muito pelo contrário. Até porque, o simples fato de desrespeitar a memória do comunicador Jota Júnior, que não está mais aqui para se defender, contagiou parte da população pessoense de uma total indignação.

A família, segundos os veículos de comunicação noticiaram, ficou indignada e manifestou toda a sua revolta.

Providências

Em contato com a coluna, o próprio Nilvan Ferreira confirmou a armação e mandou pelo zap zap image do panfleto apócrifo.

Perguntado se supunha quem eram os autores, o candidato do MDB respondeu: “Ninguém assina. São vermes”, e acrescentou que agora compete à Policia Federal descobrir de onde partiu a atitude.

Nilvan também endereçou a coluna copia de ato do juiz da propaganda eleitoral, Dr Adhailton Lacet deferindo representação impetrada por sua campanha, para que tudo seja apurado.

Cícero

A Coluna também tomou conhecimento de que houve panfletagem contra o candidato Cícero Lucena. Manteve contato com sua assessoria para se inteirar de detalhes, ficaram responder através da Assessoria de Imprensa da campanha.

Até o fechamento da coluna, porém, não recebemos qualquer informação a respeito.

Segunda Onda

Alguém de bom senso porventura está surpreso com esta nova onda de coronavírus, na Paraíba, depois das flexibilizações oficiais e afrouxamento das medidas de prevenção?
Claro que não. Era mais do que esperado, desde quando os poderes públicos se sujeitaram às pressões econômicas e começaram a anunciar a flexibilização.
Entendendo mal

O problema é que quando as autoridades começaram a falar em flexibilização, passaram para os desinformados, que é a grande maioria da população, a falsa ideia de que o coronavírus estava nos deixando em paz.

Nunca! O vírus da Covid-19 desde o início da pandemia que está entre nós. Não existe vacina ainda para prevenir a doença causada por ele e, nesse caso, a única saída é diminuir a sua propagação com distanciamento e isolamento sociais.

 

 

Por Wellington Farias

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

João evita antecipar debate sobre 2022: “Foco é na gestão e no combate à Covid”

Em entrevista concedida nesta quinta-feira, o governador da Paraíba João Azevêdo evitou projetar ações políticas para 2022, quando haverá as próximas eleições, incluindo para o Govenro do Estado. Para João,…

Na mira do MP: 22 prefeitos não assinaram acordos para o fim dos lixões na Paraíba

O Ministério Público estadual (MPPB) deu prazo de um ano para que prefeitos paraibanos fechassem lixões e dessem destino adequado a resíduos sólidos – o prazo será encerrado em 1º…