A Paraíba o tempo todo  |

Opinião: O que tem de precipitado o deputado Efraim conquistar o apoio de Galdino?

CONTEÚDO CONTINUA APÓS PUBLICIDADE

De acordo com reportagem publicada no portal PB Agora, o governador João Azevêdo (Cidadania) teria avaliado que foi uma “precipitação desnecessária” a entrevista coletiva concedida pelo deputado federal Efraim Filho (Democratas) e o presidente da Assembleia Legislativa, Adriano Galdino (PSB).


Na entrevista, o deputado Efraim teria anunciado a adesão de Adriano Galdino à sua pré-candidatura ao Senado da República.


No balanço do que foi publicado por vários veículos de imprensa sobre o fato, o que não fica claro é por qual motivo o governador João Azevedo teria considerado a coletiva “uma precipitação desnecessária”.

Fica até a impressão de que, para João Azevêdo, só quem pode ter posição e política e fazer articulações é o governador, de modo que, os demais, para assumir qualquer postura, necessariamente terá de consultá-lo antes.


Como assim, um deputado federal que tem pretensões ao Senado e um presidente de Assembleia estadual têm que pedir licença ao governador do Estado para selar as composições políticas?


Afinal, qual é o problema de o deputado Efraim – principalmente ele que é pré-candidato majoritário – amealhar apoios, ainda mais importantes assim como como o do presidente da Assembleia Legislativa? Era de se estranhar se ele não se interessasse por um apoio dessa magnitude.

Outra impressão


Dessa tempestade em copo d’água, o que também ficou de impressão é que o governador João Azevêdo foi pressionado por alguém que estava de olho no apoio de Adriano, mas chegou atrasado; ou simplesmente que a aliança de Efraim com Adriano fortalece a pré-candidatura do parlamentar ao Senado em detrimento de alguém; ou, também, de alguém que porventura tem os mesmos planos políticos que Adriano Galdino…


O governador João Azevêdo, entretanto, garante que não sofreu pressão de ninguém.

Rejeição


É natural, o elevado índice de rejeição do governador João Azevêdo, verificado pela pesquisa PBAgora/Datavox, pela visibilidade e exposição a que está exposto. João, enquanto isso, é muito bem avaliado pela esmagadora maioria do eleitorado paraibano para às eleições do próximo ano.


Às vezes é mais perigoso quando o político tem baixo índice de rejeição porque, de certa forma, isso denota que ele é pouco conhecido do eleitorado.


A pesquisa do PBAbora revelou: “Para o Governo do Estado, os pré-candidatos com maior rejeição são João Azevêdo (Cidadania) com 12,3%; Luciano Cartaxo (PV) com 10,9%; Romero Rodrigues (PSD) com 9,5% e Veneziano Vital do Rêgo com 9,1%.”

CONTEÚDO CONTINUA APÓS PUBLICIDADE

    VEJA TAMBÉM

    Comunicar Erros!

    Preencha o formulário para comunicar à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta matéria do PBAgora.

      Utilizamos ferramentas e serviços de terceiros que utilizam cookies. Essas ferramentas nos ajudam a oferecer uma melhor experiência de navegação no site. Ao clicar no botão “PROSSEGUIR”, ou continuar a visualizar nosso site, você concorda com o uso de cookies em nosso site.
      Total
      0
      Compartilhe