Ao final do programa que ancora na 98.3, do Sistema Correio de Comunicação, o imbatível Correio Debate, o festejado comunicador Nilvan Ferreira, pretenso pré-candidato à Prefeitura de João Pessoa, nesta terça-feira (17/12) fez uma ameaça à Assembleia da Paraíba e seus 36 deputados estaduais. Disse Nilvan, textualmente, sob uma vinheta de suspense:

Eu vou dizer logo, eu vou pra cima. Se inventarem de proteger corruptos, o primeiro que vai pra cima sou eu. Eu estou avisando à população da Paraíba; pode ficar só a minha voz. Esse estado está sendo passado a limpo e esse Estado vai ter que ser passado a limpo.  Não inventem de proteger corruptos. Não inventem de proteger quem roubou da saúde dos pobres. Não inventem de proteger quem desviou dinheiro do futuro das crianças que é o dinheiro da educação. Se vocês ousarem em desafiar o povo da Paraíba, eu vou aqui fazer um levante para a população da Paraíba protestar contra a Assembleia. Eu vou pra cima com dois quentes e dois fervendo. Eu fui pra cima de Ricardo Coutinho até agora, e porque eu não vou pra cima de 36? A população escute o que eu estou dizendo: Não inventem de proteger quem desvia dinheiro da saúde e da educação do Estado.

Se a Assembleia libertar Estela vai estar dando um cheque em branco para outros também roubarem. E esse Estado tem que ser passado a limpo. A gente tem que fazer a exclusão, a partir de agora, de políticos desse naipe. Não desmoralizem o que a Justiça está fazendo. Não façam como fizeram no Rio de Janeiro, em que a Polícia prendeu e a Assembleia foi lá e soltou. Não faça como fizeram com Aécio Neves, que aprovaram lá para Aécio não ser preso. Não inventem, a Paraíba está de olho. E o que antes era Nilvan e uma meia dúzia de corajosos, hoje nós temos milhões de corajosos nesse Estado. Porque o principal chefe dessa organização vai ser preso. Nós somos muitos agora, nós não estamos mais sós.

Pétalas pra todo lado

A casa está caindo. Aliás, as casas estão caindo. Afinal, as últimas ações da Operação Calvário, cuja etapa desta terça-feira, foi muito bem denominada de Juízo Final, atingiu diretamente ou indiretamente os Poderes Executivo (o governador João Azevêdo e o seu antecessor Ricardo Coutinho), o Legislativo (deputadas Estelizabel e Cida Ramos), além do órgão auxiliar do Poder Legislativo, o Tribunal de Contas do Estado (conselheiros Nominando Diniz, Arthur Cunha Lima e André Carlo Torres).

Ainda sobrou um respingo para o Poder Judiciário. Afinal, de acordo com as investigações levadas a efeito pela Operação Calvário, o então procurador Geral do Estado, Gilberto Carneiro, seria o responsável pela ponte com órgãos de controle e do Judiciário, exercendo influência em todos os assuntos com o aval do ex-governador e do atual, também. Ou seja: Carneiro, figura graúda da suposta organização criminosa, exercia influências, também, tinha relações muito próximas com setores do Poder Judiciário.

O curioso, nisso tudo, é que toda a repercussão sobre a devastadora ação da Operação Calvário foca praticamente só no pedido de prisão do ex-governador Ricardo Coutinho, como se, indo ele para detrás das grades, fosse o bastante.

O que não é fácil de entender e até compromete toda essa repercussão é que pouco se leva ao conhecimento da sociedade de que os três poderes, mais o Tribunal de Contas, estão sendo arrastados para a lama. Ou seja, a casa está caindo, também, para as instituições da Paraíba.

Estranho

Um fato bastante curioso foi notado hoje em meio esta bomba de altíssimo teor, que foi a revelação, pela imprensa nacional, de que os principais investigados, conforme noticiou Chico Pinheiro na Rede Globo, seriam além de Ricardo Coutinho, o seu sucessor e atual governador do Estado da Paraíba, João Azevêdo.

Até então, pelo que líamos no nosso noticiário, as investigações da Operação Calvário se limitavam ao período de 2010 a 2014. Parecia, até, que o esquema girassol socialista, decantado como corja de bandidos, ao final do mandato do ex-governador Ricardo Coutinho e durante as eleições 2018 havia sido tocado por um lampejo de honestidade, de forma que as últimas eleições teriam sido as mais limpas e honestas da história.

Rivotril

Nos bastidores da política, comenta-se que um bom pedaço da equipe do atual governo, inclusive o governador João Azevêdo, não tem dormido muito bem.
Diz-se, até, que numa posterior etapa da Operação, pelo menos um secretário e um ex-secretário podem aparecer ou reaparecer na lista dos investigados.

 

Wellington Farias

PB Agora

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

“Ação rápida, sem alarde e sem demagogia” declara Aguinaldo sobre corte de R$ 150 milhões da Câmara

Durante sessão plenária virtual na noite dessa terça-feira (07), o deputado federal e líder da Maioria na Câmara, Aguinaldo Ribeiro (Progressistas), parabenizou o presidente da Casa, Rodrigo Maia pelo anúncio do corte…

Em petição, entidades cobram ações de Cartaxo para a população de rua

Entidades não governamentais, grupo de voluntários, militantes da causa em defesa dos direitos dos moradores de rua, cidadão de todos os ramos profissionais, estão promovendo na capital uma petição pública…