Por pbagora.com.br
Comércio fechado na rua 25 de Março durante a quarentena.

Eu sempre tive sede pelo saber, embora isso não me faça um filósofo ou gênio, e isso está bem claro. Leio de tudo. Bulas de medicamento, encartes mostrando as promoções do comércio, livros dos mais variados assuntos circulam o meu universo. Na minha própria “teoria das cordas”. Trata-se de uma grande sopa de letrinhas chamada vida.

E em período de pandemia surgiu algo que jamais ouvi falar, mesmo que a expressão inglesa exista bem antes do mitológico Rei Artur, sua Corte, a Excalibur e o mago Merlin. Todos paridos nas histórias Arturianas vindas do final do século V e início do século VI. E aqui falo do “tal” lockdown.

Mas afinal, que “mostro” é esse que me fez pesquisar para, assim como eu, muitos leitores terem acesso ao significado? Todos temos direito à informação, por mais que tal fato cause calafrios no descontrolado presidente da República, Jair Bolsonaro, que contamina seu séquito em enfermidade conhecida, há muito pela a humanidade, de nome loucura.

Mas voltando ao assunto. As traduções possíveis para lockdown são restrição de movimento de pessoas ou confinamento social. O sentido original da palavra lockdown é o de manter os presos em suas celas para que seja restaurada a ordem no presídio após rebelião ou tumulto.

Lockdown é termo que também pode ser usado em outras situações de emergência em que as pessoas não devem sair de casa para preservar sua segurança. É com esse sentido que a palavra ganhou maior notoriedade nesses tempos do novo coronavírus e da Covid-19.

Não se trata exatamente de toque de recolher (curfew), nem de quarentena (quarantine) ou distanciamento social (social distancing), pois lockdown é algo como um isolamento social obrigatório.

João Azevedo pede para as pessoas entenderem o isolamento social e o dito lockdown não vir

Muito seguro de si, tendo ao seu lado uma equipe bem preparara, João Azevêdo tenta evitar o colapso no sistema de saúde da Paraíba. Sabe que não pode repetir o estrangulamento das unidades hospitalares, assim como aconteceu no Pará, Ceará, Rio de Janeiro, Pernambuco e Amazonas. Maranhão já decretou lockdown em quatro cidades do estado: São Luís, São José do Ribamar, Paço do Lumiar e Raposa.

Na Paraíba, Santa Rita, região metropolitana de João Pessoa, foi a primeira a utilizar esse mecanismo extremo, mas necessário, uma vez que boa parcela da sociedade ainda não entendeu o que é uma pandemia, a letalidade da Covid-19 e o auto poder de contágio.

Azevêdo vai aguardar mais alguns dias. Reunir-se com governadores, médicos, secretários de saúde de todo o Brasil. Talvez até o ministro da Saúde, Marcelo Teich, para exigir um posicionamento mais efetivo do Governo Federal no combate à pandemia, embora presuma que as prioridades do presidente da República sejam outras: comprar o Centrão para evitar uma possível CPMI contra ele, ou até um processo de Impeachment.

Eliabe Castor
PB Agora

Por Eliabe Castor

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Anísio Maia defende projeto estruturante e de turismo de experiência para o Porto do Capim

Um amplo planejamento de desenvolvimento que envolva o turismo de experiência, a força produtiva dos pescadores, mulheres e jovens aliada às soluções para a infraestrutura, habitação e saneamento em adequação…

Vice de Bolinha culpa desorganização da PMCG por indeferimento do registro

A candidata a vice-prefeita de Campina Grande na chapa de Artur Bolinha (PSL), Annelise Meneguesso (PSL), culpou, durante entrevista à Rádio Caturité FM nesta quarta-feira (28), a Secretaria de Saúde…