O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) fez uma “revelação” ao portal de notícias UOL, no último final de semana. Disse o líder petista, em tom profético: “O companheiro Ricardo Coutinho (PSB) pode sair mais forte se for mentira o que estão fazendo contra ele. Eu não perdi um ponto porque fui preso. Lá de dentro, falei o que eu tinha que falar e continuo falando: o Moro não foi juiz, ele foi um mentiroso no meu caso”, analisou.

O fato é que “O Livro de Apocalipse” ou “O livro da Revelação”, escrito pelo apóstolo São João, é quase tão misterioso quanto as “revelações” de Lula, por haver, em sua essência, o fim dos tempos, quando surgirá o julgamento dos homens por Deus. Ele fala sobre desastres cósmicos e utiliza números e simbologias para isso.

E se Ricardo Coutinho for realmente culpado? Certamente o “fim dos tempos” para ele chegará, pois o império “Girassol” será julgado e condenado não por Deus, mas pelos homens. Agora, provada a sua inocência, aquele que um dia já foi forte politicamente falando, entrará para a condição de gigante. Alguém que, montado em um cavalo-alado, cuspirá fogo pelas ventas sobre seus adversários.

As “revelações de Lula serão certeiras se o ex-governador provar a sua inocência. O problema é que, tal qual o “O Livro do Apocalipse”, as previsões mais otimistas mostram hecatombes na seara de Coutinho e seus aliados. O ex-procurador-geral da Paraíba, Gilberto Carneiro, negocia delação premiada.

Já o ex-secretário de Saúde da Paraíba, Waldson Souza, fechou acordo de delação com o Ministério Público da Paraíba, segundo a revista Revista Crusoé. Então, sair mais forte e totalmente incólume de uma o operação da envergadura da Calvária é praticamente impossível, caso os dois ex-secretários do socialista apresentem novas provas que apontem Ricardo Coutinho como sendo, realmente, o principal artífice da organização criminosa que supostamente “engoliu” propina da Saúde e Educação do Estado da Paraíba.

Em tempo, tudo dependerá das novas “revelações”, mas as que já surgiram não colocar Coutinho na condição de anjo.

 

Eliabe Castor
PB Agora

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Análise: após o Carnaval, a Paraíba será cenário de guerra política

A conclusão é óbvia. Após o período de Carnaval o clima de certa “afabilidade” entre deputados federais, estaduais, prefeitos, vereadores e o próprio governador João Azevêdo (Cidadania) será modificado drasticamente,…

João Azevêdo diz que movimento de PM’s na PB tem forte conotação política

“Há forte conotação política”. Essa foi a análise do governador da Paraíba, João Azevêdo (Cidadania), a respeito das manifestações realizadas por representantes das polícias Civil e Militar, assim como, do…