A estória circulou meio-mundo na Paraíba, pelo menos nos dias que sucederam a sétima etapa da Operação Calvário, denominada de Juízo Final: o governador João Azevedo estaria disposto a renunciar ao mandato conquistado nas urnas; outros disseram que ele o faria por pressão da família que não estaria suportando ver seu nome enlameado pelas investigações do Gaeco.

Só na cabeça de um jerico poderia passar a ideia de que um governador de Estado renunciaria tão fácil a um mandato, ainda mais quando João Azevêdo nem aparece nas investigações da Operação Calvário como responsável direto por qualquer dessas lambanças que as revelações sugerem que teriam ocorrido nos últimos anos durante a gestão girassol socialista.

João renunciando teria lançado um mea-culpa, não se livraria de qualquer das eventuais acusações que recaem sobre ele, e de quebra ficaria ainda mais fraco para se defender, estando ele despojado da condição e do mandato efetivo de governador do Estado.

Mas…

De qualquer forma, o governador João Azevedo tem muito com o que se preocupar, caso tudo se confirme. Ou – o que seria pior – se porventura ele intimamente tem consciência que as coisas realmente aconteceram e que a sua eleição também é resultado das práticas nada republicadas, que deixam a todos de queixo caído.

As investigações ainda estão em curso. Resta saber se, de fato, tudo aquilo que foi delatado tem mesmo fundamento com provas robustas e não são só palavras ao vento.

Sim, porque a simples delação por si só não vale.

Delator quase sempre desempenha o triste papel de prostituta das provas, figura muito conhecida no mundo jurídico. O que diz o delator no máximo serve para nortear uma investigação e nada mais. Vejamos: Livânia disse que, num primeiro momento, entregou R$ 800 mil ao então governador Ricardo Coutinho, a título de propina recebida pelo esquema; numa segunda etapa, mais R$ 1 milhão. Ricardo diz que nunca recebeu. E ai, em cima de que prova a Justiça poderá condenar alguém?

O tal 13º

Nem de longe as denúncias reveladas no programa global Fantástico corresponderam às expectativas forjadas pelos adversários do ex-governador Ricardo Coutinho. Até porque o mais grave é fruto de delações o que, repetimos, carece de provas e, portanto, serve apenas para orientar as investigações. Não tem valor nenhum como peça pandamentar uma condenação.

Vejamos: durante uma semana inteira circulou nas mídias sociais e coleguinhas escreveram textos com muita “indignação” como o “fato” de que o ex-governador Ricardo Coutinho teria tido a cara de pau de, numa conversa com o futuro delator, que fora gravada, ter vibrado ao receber uma “bolada” da Cruz Vermelha dizendo, saltitante: “Uhu, já tenho o meu 13º garantido”.

Os escritos tentavam passar a falsa ideia de que o governador, cinicamente, estaria pra lá de feliz por ter engordado a sua conta ou suas supostas caixas de dinheiro num final de ano com uma obesa propina.

Eu ouvi o áudio. Nada disso: na conversa com um interlocutor, Ricardo Coutinho apenas deixa claro que, como gestor prevenido, já dispunha em caixa o “seu” 13º , uma clara referência ao 13º salário dos funcionários públicos do Estado, em sua gestão. Ricardo, portanto, passava um atestado de gestor prevenido, que não deixa para a undécima hora a arrecadação para cobrir a folhas extras.

Pé no freio

Tudo isso que estamos a ver sugere uma certa moderação. Não se pode, evidentemente, ser leve com corrupto, tampouco torcer pela impunidade. Nada disso.
Mas nós já assistimos a este filme. Quem não se lembra da condenação antecipada de Cícero Lucena, num episódio em que ele foi acusado, preso? Em que a quase totalidade da mídia o condenou por antecipação; deram o jocoso nome de Viaduto Sonrisal a uma de duas obras como prefeito de João Pessoa.

Anos depois – e muito recentemente – a Justiça inocentou Cícero Lucena, deixando os paladinos da Justiça com cara de paisagem.

Danado é ver aqueles que o malharam, condenaram por antecipação, desrespeitaram uma família inteira, constrangeram filhos, netos, parentes outros e amigos, e depois da sentença da Justiça inverter o discurso em favor daquele que condenou.

Arrematando

Mas tem outra: se ficar tudo confirmado, que houve propina, que o êxito do projeto socialista nas urnas foi bancada por dinheiro sujo, neste caso, tanto a gestão de Ricardo quando a de João Azevedo terão o mesmo grau de culpa por tudo. Afinal, terá sido um projeto de gestão e de poder bancado por um propinoduto.
Em suma: teriam sido mandatos comprados com dinheiro roubado.

 

Wellington Farias

PB Agora

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Manoel Jr desiste da disputa pela PMJP e mira Pedras de Fogo

O vice-prefeito de João Pessoa, Manoel Júnior, atual presidente do Solidariedade na Paraíba, declinou da disputa pela prefeitura da Capital, nas eleições desse ano para voltar todos os seus esforços…

Romero define hoje retomada do comércio em CG, já a partir de segunda

O prefeito de Campina Grande, Romero Rodrigues, reúne-se hoje, por videoconferência, com representantes do comércio, serviços e indústria, além de Ministério Público Estadual e Ministério Público do Trabalho, para discutir…