Por pbagora.com.br
A incerteza sobre quem conquistará as duas únicas vagas no 2º turno do pleito nas eleições municipais das duas maiores cidades da Paraíba, leia-se João Pessoa e Campina Grande, tem mostrado uma classe política apática, muito distante daquela euforia de pleitos passados.
E não. Não é por conta da pandemia!  É a incerteza de saber quem dos primeiros colocados nas pesquisas de intenção de voto, ou até mesmo um ‘azarão’, têm chances reais de vencer o pleito e ser o próximo prefeito nestas duas ‘metrópoles’.
Em João Pessoa, cidade com o maior número de candidatos, aliados estão rachados entre várias postulações, por exemplo: o governador João Azevêdo (Cidadania) está com Cícero (PP); a vice-governadora Lígia Feliciano (PDT) está com Edilma Freire (PV); o deputado federal Efraim Filho (DEM) está com Raoni Mendes (DEM), parte do PT está com Ricardo Coutinho (PSB) e a outra parte com Anísio Maia (PT). Ruy Carneiro (PSDB) está com PSC, Nilvan com o MDB e os demais na batalha do cada um por si.
Em Campina Grande, não é diferente. Apesar de o número de candidatos ser menos da metade do existente na Capital, a campanha nas eleições desse ano não chegou a esquentar.
A Rainha da Borborema que sempre foi protagonista nas eleições, esse ano virou mera coadjuvante. Até mesmo figuras cativas nas campanhas como Cássio Cunha Lima, Ronaldinho Cunha Lima, Tovar Correia Lima e o ministro Vitalzinho não ganharam tanto enfoque. Ao que parece, o candidato que conquistar a vaga será, em grande parcela, mais por mérito próprio do que pela mobilização dos velhos aliados.
E por que tanta ponderação?
A resposta pode ser estratégica. Para muitos, o comprometimento integral com alguns desses postulantes diante de tanta incerteza pode acabar gerando uma impossibilidade de relações políticas com o futuro mandatário dessas cidades. Como disse uma vez  o escritor Luciano Bianciardi na década de 60 – “A política… há muito tempo deixou de ser ciência do bom governo e, em vez disso, tornou-se arte da conquista e da conservação do poder”.
Apesar das décadas que se passaram desde então, a política não evoluiu nesse quesito. O pensamento continua atual!
Márcia Dias
PB Agora

Notícias relacionadas

Ricardo vê “consolidação” de aliança do PSB com Lula após filiação de Freixo

O ex-governador da Paraíba e pré-candidato ao Senado, Ricardo Coutinho (PSB), comemorou a filiação do deputado federal Marcelo Freixo ao PSB. O motivo da comemoração de Ricardo é a aproximação…

Levantamento do PB Agora contabiliza 10 nomes cotados para disputar única vaga da Paraíba no Senado em 2022

Um levantamento feito pela reportagem do PB Agora contabilizou ao menos dez nomes cotados para ingressar na disputa pela única vaga da Paraíba no Senado Federal nas eleições de 2022.…