A guerra foi deflagrada. Montgomery decidiu firmar o desembarque no Sanhauá de forma rápida e precisa, a fim de evitar maiores movimentos do exército oposicionista comandado pelo general Hideki Tojo. E assim foi realizada a operação, sendo observada e monitorada por Charles de Gaulle, Churchill e Toinho da Bodega. Paraquedistas vindos do Planalto Central pisaram em solo paraibano com cuidado. Minas terrestres foram espalhadas por todo o “front” da batalha que se alvoroçou na terra de Piragibe, “O Tabajara”.

Nas linhas de comunicação Ricardo Coração de Leão enviou mensagem para Dom João I. A intenção: estancar a sangria entre os aliados que, por fome de poder, incitaram o embate entre forças outrora amigas e pacíficas. Em código Morse mensagens “caminharam” pelos fios de cobre até seus respectivos destinos, estando na escuta principal Nonato, “O Pacífico”.

Na mensagem codificada pela máquina “Enigma”, soldados leram algo confuso: “Nem tudo é Rosa”. De fato não é, nunca foi, pois no teatro da guerra, da política e mesmo no viver a vida, a paz é algo a ser conquistada a partir das lutas , havendo a certeza que embates diários, de forma paradoxal, tenham que existir para manter a bandeira branca.

E assim a guerra foi iniciada, havendo a certeza no coração e, principalmente, na mente dos comandantes, que utilizar armas biológicas contra o seu próprio povo é algo atroz; desumano e cruel.

É sabido que um armistício foi imposto após as primeiras “cargas” da artilharia, estando na mediação do conflito um velho marinheiro de nome “Bom Senso”. Pessoa polida e humana, já aportou em Nossa Senhora das Neves com o cachimbo da paz na mão direita, pois na esquerda sempre conduziu o coração.

No alto do platô, bem próximo à Basílica, tribos antagônicas, acompanhadas pelo holandês Elias Herckmans, analisavam a beligerância nativa. Esperavam, e ainda esperam, uma ruptura das forças ricardistas e joaninas. E tudo está sendo documentado pelo batavo na chamada obra “Descrição Geral da Capitania da Parahyba”.

E assim está, caros leitores, a situação indefinida para a solução do conflito. Não se sabe da data do “Dia D” para ser firmada, ou não, o final do conflito. As indecisões são enormes. O Canal da Mancha está turvo e turbulento, havendo a impossibilidade de navegação momentânea até Tambaú.

E os civis continuam em seus abrigos, observando os vôos da temida Luftwaffe. E no fim de cada carta enviada aos parentes, os refugiados sopram a esperança de dias melhores, “pois eles virão”, escreveu uma criança de 434 anos de idade.

Eliabe Castor
PB Agora

Total
1
Compartilhamentos
Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

VÍDEO: em meio à crise no PSB, Sandra afaga ego da gestão Cartaxo

A vereadora socialista Sandra Marrocos (PSB) surpreendeu na noite dessa quinta-feira (19) durante assembleia do Orçamento Participativo na região dos Bancários promovida pela gestão do prefeito Luciano Cartaxo, ao elencar…

“A oposição morreu aqui na Assembleia”, diz Chió ao analisar efeitos da crise no PSB

Em discurso na Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB) o deputado estadual governista Chió (Rede) analisou a crise interna que passa o PSB paraibano entre as alas do governador João Azevêdo…