A Paraíba o tempo todo  |

Opinião: A exploração eleitoreira, naturalmente suscita dúvidas sobre a doença do Bolsonaro

CONTEÚDO CONTINUA APÓS PUBLICIDADE

Quando o então candidato à Presidência da República, Jair Bolsonaro, sofreu aquele suposto ataque à faca, sinceramente achei que – de fato – tinham tentado matá-lo.
Entretanto,  a partir dos desdobramentos dos fatos, hoje tenho sérias dúvidas de que aquilo foi um atentado de verdade. Tem mais contornos de armação.

Agora, e de repente, o presidente da República,  Jair Bolsonaro, vai parar num hospital com problemas intestinais aparentemente sérios,  a ponto de se ter notícias de que ele foi intubado.

Já começo a achar que está história se escreve con E e, portanto, está mal contada; que tudo pode ser uma armação, inclusive com fins eleitoreiros, visando as eleições de 2022.
Ou, simplesmente, para conter a onda negativa que, neste momento,  se levanta contra Jair Bolsonaro e seu governo…

Motivo
Vejam só: no mesmo dia da internação, foi postada nas mídias sociais do próprio presidente uma foto dele em leito hospitalar, todo vitimado etc e tal. Só que no texto legenda, dizia (pasmem!) que ele estava naquele estado graças ao atentado que teria sido perpetrado por um tal de Adélia Bispo, e que este seria ex-integrante do partido Psol, o braço esquerdo do PT.

Ora, fica claro que quem fez aquilo alí pode estar muito mais interessado em politizar o fato do que preocupado com o estado de saúde do presidente.

Não é razoável supor que em meio à uma situação de tamanha delicadeza e risco para a vida de Bolsonaro, ele (ou alguém que administre as suas mídias sociais) tenha tido a preocupação,  tempo e disposição para explorar politicamente este fato, alfinetando adversários políticos.

Acuado
Se lembrarmos do caso do suposto atentado,  mais a campanha eleitoral tocada nas mídias sociais à base de fake news, fica evidente que esse povo que está no Poder é capaz de tudo para atingir seus objetivos eleitorais e políticos. Para eles, os fins justificam os meios.

Esta cortina de desconfiança também se sustenta na estranha coincidência de que Bolsonaro é hospitalizado exatamente no seu pior momento na Presidência da República: com a popularidade no chão, acuado pelas instituições democráticas contra quem estava investindo pesado; e, de quebra, com o desmonte da farsa de que não havia corrupção no seu governo.

Pé de barro
Significa dizer que o último pé de barro do governo, que era a ideia de intolerância contra a corrupção, simplesmente cedeu.

O pé barro cedeu e a máscara caiu.

Evidente que pode ser, sim, que o presidente Jair Bolsonaro esteja mesmo muito doente.

as que os fatos que montam em torno deste episódio; a notória exploração política na tentativa de fazê-lo vitima, dá margem (e como dá) a que se levantem dúvidas sobre o que realmente está acontecendo.

Desumano
No campo oposto, temos visto e assistido coisas inacreditáveis,  desumanas e nem um pouco cristã.

Não são todos, mas um número capaz de incomodar,  postando mensagens nas quais está embutido o desejo de que o presidente Bolsonaro morra para o bem do Brasil.

São procedimentos deploráveis, inaceitáveis,  desumano e anticristãos.

É a estupidez do Brasil atual fazendo escola…

CONTEÚDO CONTINUA APÓS PUBLICIDADE
    VEJA TAMBÉM

    Comunicar Erros!

    Preencha o formulário para comunicar à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta matéria do PBAgora.

      Utilizamos ferramentas e serviços de terceiros que utilizam cookies. Essas ferramentas nos ajudam a oferecer uma melhor experiência de navegação no site. Ao clicar no botão “PROSSEGUIR”, ou continuar a visualizar nosso site, você concorda com o uso de cookies em nosso site.
      Total
      0
      Compartilhe