Por pbagora.com.br

O deputado estadual Wallber Virgolino defendeu o presidente Jair Bolsonaro do episódio da compra milionária de, entre outros itens, leite condensado e chicletes.

De acordo com Wallber a compra se justifica já que via atender todos os órgãos federais do país além de suprir a necessidade alimentar de servidores que segundo ele são sustentados pelo governo.

Wallber ainda disse ter plena convicção de que nenhum item foi destinado diretamente ao presidente e tachou de injustiça a repercussão a respeito do fato.

“O presidente ele vem sofrendo pressão ao longo desses dois anos, uma pressão desproporcional e injusta. O presidente vem fazendo muito pelo Brasil, setores da imprensa diante da ausência de desonestidade do presidente pegam fatos isolados e tentam imputar ao presidente no sentido de tirar a credibilidade dele perante à sociedade. Esse negócio do leite condensado a gente sabe que nenhuma lata dessa foi para o presidente o país é muito grande com muito órgãos e servidores e esses servidores alguns deles são sustentados pelo governo federal e essas pessoas tem direito a algum tempo de alimentação e a sobremesa está dentro do cardápio oficial do Brasil. Responsabilizar o presidente é uma injustiça”

Com relação às palavras de baixo calão utilizadas pelo presidente nessa quarta-feira (27) durante um almoço com artistas e líderes políticos se referindo ao assunto, Wallber disse que tudo não passou de um desabafo.

“Durante uma reunião da cúpula ele desabafou, aquela reunião era isolada, ele desabafou mas tudo que ele faz repercute. Todo cidadão tem o momento de desabafo e às vezes se excede” pontuou.

PB Agora

Notícias relacionadas

“Não é fácil discutir política com a juventude”, diz secretário do PT-PB

Os partidos classificados como de centro político foram os grandes destaques das eleições municipais de 2020 e dividiram o controle dos municípios de forma mais equilibrada. Pela primeira vez desde…

Pesquisador analisa efeito do fim das coligações que deve extinguir siglas

As eleições municipais do ano passado marcaram o fim das coligações entre partidos para a escolha dos vereadores. A medida, estabelecida pela emenda constitucional 97/2017, enfraqueceu e até representar o…