Por pbagora.com.br

Mais um capítulo envolvendo a queda de braço entre o prefeito de Campina Grande, Bruno Cunha Lima (PSD), e o governador da Paraíba, João Azevêdo (Cidadania), se desenrolou nesta terça-feira (9). Desta vez, os protagonistas são os ministérios públicos.

Recomendação conjunta assinada pelo Ministério Público Federal, o Ministério Público da Paraíba e o Ministério Público do Trabalho (MPT) teve como alvo o gestor de Campina Grande. Bruno terá que cumprir os decretos estaduais, quando mais restritivos que os atos normativos do município.

Além disso, cobrar de seus órgãos fiscalizadores (Procon, Guarda Municipal, Gevisa, Sesuma) ações de fiscalização com relação ao isolamento social; e intensificar campanhas de conscientização sobre a necessidade do cumprimento do isolamento.

Confira o documento:

Notícias relacionadas

Wilson Santiago é homenageado após repassar emenda de R$ 6,3 milhões para HU de JP

O reitor da Universidade Federal da Paraíba (UFPB), prof. Valdiney Veloso Gouveia, e o superintendente do Hospital Universitário Lauro Wanderley de João Pessoa, Marcelo Paulo Tissiani entregaram um certificado ao…

Mutação de Cássio na política vira alvo de críticas nas redes sociais

Com décadas na política paraibana o ex-senador Cássio Cunha Lima (PSDB) se caracterizou por ser um ‘camaleão’ no tocante as mudanças nos seus discursos. Não é difícil achar na internet…