Por pbagora.com.br

A candidatura de Lucas Romão (Cidadania) na disputa pela prefeitura de Pedras de Fogo, foi impugnada pelo Ministério Público Eleitoral. A acusação é a de que o postulante teria ocultado bens nas declarações entregues à Justiça Eleitoral. O questionamento foi protocolado pelo promotor Marinho Mendes, da 44 ª Zona Eleitoral.

Na impugnação, o promotor cita que a declaração de bens é imprescindíve para o registro da candidatura. O documento entregue por Romão não inclui nenhum bem, porém, o promotor ressalta a existência de uma casa. Ele cita que em agosto, durante entrevista em um programa de rádio local, o postulante afirmou que teve sua residência alvejada por tiros.

Esse ponto é ressaltado pelo promotor como indicativo de sonegação de informações.“Esta residência vem sendo alvo de grandes debates, em razão da disparidade do valor do patrimônio e seus rendimentos, à época que ocupava cargo de Secretário de Infraestrutura, na atual gestão, serem supostamente incompatíveis”, diz o promotor.

Ele alega, ainda, que o postulante vinha sonegando informações à Receita Federal. “ Há notícia de que o mesmo auferia renda superior a R$ 7.000,00 (sete mil reais) mensais e que tais rendimentos não foram informados à receita federal, o que configura o delito de sonegação de tributos, a ser apurado em procedimento próprio”, diz trecho da decisão.

Redação com informações do blog de Suetoni Souto

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Na corrida eleitoral, PSL da PB já gastou todo o dinheiro do fundo partidário

Tendo sido um dos partidos que mais recebeu recursos oriundos do fundo partidário na Paraíba, o Partido Social da Liberal, o PSL, contabilizou R$ 5.250.000,00 para ser usado na campanha eleitoral.…

Opinião: em meio a pandemia, ALPB dá exemplo ao país no quesito produtividade

O poder da palavra, dos pensamentos, da própria sapiência humana ultrapassa as barreiras físicas, pois todos nós somos de uma espécie. Beligerante em muitos fatores, solidários noutros. Assim é a…