O capitão-de-fragata Paulo Santos de Oliveira (na foto ao lado), atual comandante dos efetivos da Marinha de Guerra do Brasil na Paraíba (incluindo nossos mais de 130 km de litoral e águas interiores, como rios, açudes e outros reservatórios de grande porte, considerados legalmente como sendo áreas de usufruto comum, pela Gerência Regional do Patrimônio da União), descartou definitivamente a compra das instalações do Iate Clube, localizado na praia do Bessa.

Preço de R$ 8 milhões

O motivo foi a desistência por parte das altas autoridades do comando-geral da Força Naval brasileira em investir cerca de R$ 8 milhões somente na aquisição do terreno e demais dependências do sodalício, que seria destinado a reunir todas as unidades operacionais vinculadas à Capitania dos Portos, numa única base militar, com acesso livre e direto à costa paraibana.

Projeto durou dois anos

A negociação nesse sentido vinha sendo feita desde 2009, tendo passado pelo crivo dos ex-capitães Rogério Miccuci e Paolo Coirollo, antecessores do atual comandante, no mesmo posto. A sede da Capitania fica localizada na avenida Barão do Triunfo, no bairro do Varadouro, desde 1939, sendo sua criação datada de 1847, devido à proximidade do antigo porto do Capim, principal via de acesso marítimo e fluvial à cidade, no começo do século 19 (hoje totalmente desativado, tanto em termos comerciais, quanto de transporte de cargos e passageiros).

Capitania tentará nova sede

Futuramente, é pensamento da Capitania, vinculada ao 3º Distrito Naval, sediado em Natal-RN, voltar a pleitear verbas orçamentárias que possibilitem a instalação da representação oficial da Marinha, aqui no Estado, em outra área mais próxima do oceano, facilitando os trabalhos de fiscalização permanente de embarcações particulares que se lançam ao mar, sobretudo nos períodos de veraneio, em direção à praia de Camboinha e ao banco de coral existente na ilhota de Areia Vermelha, durante as marés baixas.

Flamenguista vira tricolor

O promotor de eventos Rogeraldo “Campina” está organizando uma viagem da torcida do Fluminense Futebol Clube para a partida final do Campeonato Brasileiro, no próximo domingo (dia 5 de dezembro), contra o Guarani de Campinas-SP, a ser realizada no estádio “Engenhão”, às 16h00, pelo nosso horário local.

Na “Cidade Maravilhosa”

A viagem dos torcedores organizada pelo presidente da Flanego (representante oficial da galera flamenguista na Paraíba) começa na noite/madrugada da próxima 5ª feira, com a caravana tricolor amanhecendo já no Rio de Janeiro no dia seguinte, onde haverá uma programação recreativa também no sábado anterior ao jogo.

Contato por telefone

O pacote inclui os ingressos para a partida decisiva, num setor privilegiado do Estádio Olímpico João Havelange. Para saber mais detalhes, basta ligar para o telefone 3246-5000.

Lista dos convidados

“Campina” está convidando alguns torcedores ilustres do clube “Pó-de-Arroz” das Laranjeiras para se integrarem à caravana, como por exemplo: Cássio Cunha Lima, Abelardo Jurema Filho, João Laércio Fernandes Gagliardi, Sargento Dênis Soares, Rosilene Gomes, Carlos Aranha, Lucianinho Wanderley, Manoel Duré, Itamar Cândido, Alexandre Jubert, Helder Moura, Josival Pereira, etc.

Apelando para doadores

Luciana Aranha, filha do médico e escritor Marcus Aranha (ex-presidente da Geap-Cooperativa e Plano de Saúde) está mandando desde o final-de-semana passado, vários e-mails para quem puder doar sangue ou conheça alguém que possa fazê-lo. Ela está precisando de pessoas que possam doar sangue no Hemocentro em João Pessoa, pois o pai dela, que tem um linfoma (câncer linfático) em fase avançada, está tendo constantes hemorragias e tem solicitado bolsas de sangue ao Hemocentro, com muita freqüência.

Repondo o estoque

Ele está tomando duas ou três transfusões por semana. Então, para repor o estoque do Hemocentro e não faltar bolsas para outras pessoas e nem para ele mesmo, Luciana precisa semanalmente de indicar mais de 50 pessoas que possam fazer doação de qualquer tipo sanguíneo e fator RH.

Necessidade urgente

Para qualquer outra informação adicional, as pessoas interessadas em ajudar Marcus Aranha podem entrar em contato com a filha dele por e-mail ([email protected]) ou pelo seu celular: 9104-5917.

Gesto de amor não dói

A doação é rápida e não dolorosa, devendo levar de 5 a 7 minutos de duração, apenas. Para quem não tem tempo de se dirigir até o Hemocentro durante a semana, ela informa que aos sábados, a central de doações funciona até o horário de meio-dia.

Direcionando para paciente

Um detalhe: quando forem doar, anunciem que estão destinando as bolsas de plasma para Marcus Aranha, informando na recepção do Hemocentro o seguinte: é para o médico Marcus Aranha, paciente que está internado no hospital da Unimed (já que é para repor o estoque de sangue que ele tem solicitado com freqüência).

Total
0
Compartilhamentos
Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Especialista contradiz Cartaxo sobre funcionalidade da drenagem da Barreira

Apesar do prefeito de João Pessoa Luciano Cartaxo (PV) ter recentemente visitado os trabalhos de drenagem na barreira do Cabo Branco, que estão sendo realizados pela prefeitura, com recursos próprios…

“Fico com os dois”, diz Jeová Campos ao driblar preferências sobre crise no PSB

A crise interna do PSB paraibano vem dividindo os filiados por todo o estado. Muitos já se posicionaram favoráveis ao governador João Azevêdo (PSB) e outros ao ex-governador Ricardo Coutinho…