Por pbagora.com.br

Há um traço constante e inseparável da biografia do governador José Maranhão: a traição. É uma característica intrínseca à sua personalidade, algo bem na linha daquela velha piada sobre a justificativa apresentada pelo escorpião à tartaruga que o ajudava a atravessar um rio, em plena enchente, mas não resistiu à faculdade de, atraiçoadamente, matar o companheiro: “Me perdoe, mas minha natureza é assim…”

Vítima mais recente do processo de traição deliberada por parte de José Maranhão, o prefeito de João Pessoa, Ricardo Coutinho, não esconde de ninguém sua estupefação diante da forma como o velho cacique tenta sufocar todos os que contrariam seus interesses e não concordam com sua política do posso-posso-e-posso. A violência dos “recados” velados nos bastidores não deixa por menos: sejam trucidados todos os que ousam se contrapor às suas vontades.

Com sede de vingança desde que Ricardo Coutinho não levou em conta sua “recomendação” para que o PMDB fizesse parte da chapa majoritária da reeleição em João Pessoa, em 2008, José Maranhão manobra pedras no tabuleiro da administração pública com o claro intuito de tirar o prefeito da Capital da esportiva: tenta tirar da Prefeitura auxiliares de Coutinho sem a menor cerimônia; procura asfixiar Ricardo, tirá-lo do céu de brigadeiro em que tentava pavimentar sua candidatura ao Governo do Estado.

Não chega a ser novidade para quem conhece José Maranhão essa postura irrequieta para atropelar adversários, essa pré-disposição para trair. São inúmeros os casos, desde os tempos remotos de sua vida pública na pacata Araruna. Lá, na década de 90, o então prefeito Nivaldo Izidro Alves se submeteu a um processo de impeachment conduzido pelo então deputado federal e líder político da região. Izidro ousou não seguir religiosamente sua cartilha, teve a audácia de dizer-lhe não. Caiu em desgraça com o chefe.

A lista de traições de Maranhão é longa, na verdade. Dela fazem parte, como vítimas de sua contumácia em criar ex-amigos, Ronaldo Cunha Lima, Ney Suassuna, Inaldo Leitão, Mabel Mariz e uma infinidade de personalidades que, em algum momento, não mais interessavam dentro de seu mundinho muito seu.

Ricardo Coutinho é a bola da vez.

E, para isso, os sinais mais claros de um rompimento inevitável já começam a se evidenciar em escala ascendente. A tentatva de esvaziar a equipe de Ricardo é um movimento visível. Mas há aqueles mais sutis, como os que já começam a se detectar nas páginas do Correio da Paraíba, com fustigadas na imagem do prefeito da Capital.

É a coreografia da traição em andamento. É o escorpião que existe dentro de Maranhão sem poder conter a própria natureza.

Notícias relacionadas

Internado com Covid-19, prefeito de Cajazeiras decide se licenciar por 15 dias

Internado desde o último sábado, dia 12 de junho, para se tratar da covid-19, o prefeito do município de Cajazeiras, José Aldemir Meirelles, do PP, se licenciará do mandato pelos…

Vacinas da Janssen serão distribuídas nesta 3ª para os 223 municípios da PB

Mais de 52 mil doses da vacina da Janssen contra a Covid-19 chegam à Paraíba nesta terça-feira (15) e serão distribuídas para os 223 municípios do estado no mesmo dia.…