Por pbagora.com.br

As duas primeiras testemunhas de acusação contra o prefeito Veneziano Vital do Rêgo (PMDB), de Campina Grande, no rumoroso Caso Maranata, confirmaram em depoimento nesta quinta-feira (16) à Justiça Eleitoral todas as informações que tinham prestado à Polícia Federal e ao Ministério Público: a campanha de reeleição de Veneziano contou com um pesado esquema de compra de votos e de corrupção eleitoral em 2008, envolvendo centenas de pessoas e candidatos a vereador.

Perante o juiz da 16ª Zona Eleitoral, Francisco Antunes Batista, responsável pela Ação de Investigação Judicial Eleitoral (Aije) da Maranata, os depoentes Marcelino Soares e Pulquéria Soares confirmaram a existência do esquema de compra de votos a partir da utilização da cooperativa Maranata Construtora e Prestadora de Serviço Ltda., contratada pela prefeitura de Campina Grande como empresa terceirizada. A audiência teve início às 10h00 e só se encerrou por volta das 16h00 desta quinta-feira.

O esquema, segundo as testemunhas, operava primordialmente compromisso assumido pelo prefeito Veneziano Vital do Rêgo com candidatos a vereador que aderiram à sua campanha da reeleição. Cada um teve direito de indicar até seis pessoas que recebiam salários da Maranata e repassavam para seus respectivos candidatos. Uma forma de ampliar o volume de recursos, segundo Pulquéria, era de implantar gratificações em função de “viagens” supostamente feita pelos funcionários, em forma de diárias fictícias.

Presente à audiência e acompanhando os depoimentos, o promotor Joacir Juvino disse ter sido confimado que, através do contrato de terceirização de mão-de-obra (prestação de serviço), foi praticado desvio de verbas públicas para financiar as campanhas de Veneziano, de seu vice José Luiz Júnior (PSC) e de alguns candidatos a vereador. O advogado José Mariz, representando a Coligação Por Amor a Campina, também acompanhou a audiência.

Durante os depoimentos, foi apresentado um aúdio com uma gravação contendo uma conversa entre o atual secretário municipal de Ação Social, Robson Dutra da Silva, presidente do PPS, e vários candidatos a vereador, discutindo a forma como se deveria proceder para ter acesso aos recursos repassados pela prefeitura à empresa Maranata.

Outras testemunhas serão ouvidas nos próximos dias pelo juiz Francisco Antunes.

PB Agora

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Ruy cobra reabertura imediata do Congresso por causa da pandemia

Com o agravamento da pandemia no Brasil e a situação de calamidade em Manaus, o deputado paraibano Ruy Carneiro defendeu a imediata suspensão do recesso parlamentar da Câmara Federal e…

Julian Lemos crítica Bolsonaro: “O homem que está no poder, não é o que elegemos”

O deputado federal Julian Lemos, do PSL, usou seu perfil numa rede social para para fazer um desabafo a respeito do presidente da República, Jair Bolsonaro. Na postagem, Julian critica…