Por pbagora.com.br

O pré-candidato a prefeito de Pedras de Fogo, Manoel Júnior (Solidariedade), se reuniu, nessa quinta-feira (13), com o governador de Pernambuco, Paulo Câmara, e com o secretário estadual de Defesa Social, Antônio de Pádua Vieira, para solicitar uma rigorosa apuração do assassinato do empresário Abson Matos, que foi executado na última quarta-feira (05), com vários tiros na cabeça.

Inicialmente, a polícia informou que o crime teria acontecido dentro do seu empreendimento comercial, localizado no bairro Pedra Bela, em Itambé. No entanto, durante o encontro com Manoel Junior, Paulo Câmara revelou que monitoramento realizado através de GPS pela secretaria de Defesa Social de Pernambuco aponta que a execução aconteceu em Pedras de Fogo.

Paulo Câmara informou ainda que o Governo de Pernambuco já repassou todas as informações referentes ao caso, inclusive imagens de câmeras de segurança, para a secretária de Segurança Pública da Paraíba desde a última terça-feira (11). Diante da informação, Manoel Junior irá solicitar ao governador João Azevêdo uma rigorosa investigação das autoridades policiais paraibanas, devido a suspeita de motivação política do crime, uma vez que Abson Matos fazia inúmeras denúncias contra o prefeito de Pedras de Fogo, Dedé Romão, e seu grupo político.

Abson ficou conhecido no município por participar de diversos programas de rádio e de TV denunciando supostas irregularidades na prefeitura de Pedras de Fogo. Ele também era bastante conhecido por ter criado o slogan “Bomba, Bomba” e divulgar áudios em grupos Whatsapp com acusações contra Dedé Romão e seu grupo, entre eles o presidente da Câmara de Vereadores, Ninho da Mangueira.

Em um dos últimos áudios, que circulou nos grupos de Whastapp, o empresário revelou que estava sendo ameaçado de morte e afirmava que não iria se intimidar.

“Não iremos nos calar, não adianta está me ameaçando de morte e mandando recado por babões, dizendo que vai calar minha boca, nem que seja no chumbo. Iremos entrar com processo de ameaça, porque é inadmissível o gestor de um município entrar em desespero e ameaçar as pessoas, que estão fiscalizando a má administração que está acontecendo no município de Pedras Fogo”, declarou.

No áudio, Abson dizia que se fosse executado, seus áudios e história ficariam circulando na cidade.

“Pode até me calar na bala, como falaram, que vão estourar minha cara na bala. Mas, meus áudios e minha história vão ficar circulando na cidade”, disse.

Ouça uma das denúncias feitas por Abson, em que ele afirma que estava sendo ameaçado pelo grupo de Dedé:

PB Agora

 

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Ruy anuncia plano para transformar mercados em polos gastronômicos e turísticos

Determinado a promover a retomada do crescimento econômico de João Pessoa, o pré-candidato a prefeito Ruy Carneiro anunciou neste sábado uma série de ações para reconfigurar os mercados públicos da…

Após ser anunciada como vice de RC, Paula Frassinete renuncia

Apenas um dias após ser registrada como companheira de chapa do ex-governador Ricardo Coutinho (PSB) na corrida eleitoral pela Prefeitura Municipal de João Pessoa, a ex-vereadora Paula Frassinete renunciou do…