O presidente Luiz Inácio Lula da Silva considerou absurda a tentativa da oposição de recorrer ao Tribunal Superior Eleitoral alegando campanha eleitoral antecipada por parte da ministra Dilma Rousseff (Casa Civil), cotada para a sucessão presidencial de 2010.

– Eu, sinceramente, acho uma coisa tão absurda, uma coisa tão pequena. Uma pessoa só pode ser candidata depois que tiver a convenção do partido político, que será no ano que vem. Eu não quero crer que os candidatos deles irão ficar dentro de uma redoma de vidro agora, até quando houver a convenção do partido – disse Lula em Recife nesta sexta-feira.

Dilma, que é gestora do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), acompanha o presidente em inaugurações de obras pelo país. Nesta semana, ela participou de um encontro com cerca de 4.000 prefeitos de todo o país, promovido pela Presidência, e que foi considerado eleitoreiro pela oposição.

– A ministra é ministra até o momento em que ela se afastar do cargo, se for aprovada para ser candidata a alguma coisa. Até lá, ela é ministra e vai continuar exercendo o papel de ministra, como exerce o ministro da Saúde, como exerce o ministro do Trabalho, como exerce o ministro da Pesca – afirmou Lula.

Para o presidente, “seria um fato inusitado proibir as pessoas responsáveis pelas obras de fiscalizar as obras”.


REUTERS

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Luppi afirma que caso aconteça, tratativa para filiação de João Azevêdo ao PDT será feita por Lígia Feliciano

Durante entrevista a uma emissora de rádio paraibana na tarde desta segunda-feira (20), o presidente nacional do PDT, Carlos Luppi negou convite para o governador da Paraíba, João Azevêdo (sem…

Veneziano defende concurso público para a previdência

Ao analisar a recente decisão do presidente Jair Bolsonaro de contratar militares da reserva para tentar diminuir o ‘apagão’ nos serviços do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) no Brasil,…