Por pbagora.com.br

Líderes partidários do governo e da oposição descartaram hoje colocar em votação proposta do deputado Sandro Mabel (PR-GO) que permite ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva ficar no cargo até 2012. O líder do PT na Câmara, deputado Candido Vaccarezza (SP), disse que o partido do presidente é contra qualquer prorrogação de mandato que permita a Lula ficar mais tempo no poder. “O PT é radicalmente contra, isso não é constitucional’, afirmou.

O líder do DEM na Câmara, Ronaldo Caiado (GO), classificou a proposta de Mabel de “ilegal e imoral”. O deputado disse estar “constrangido” pelo fato de um colega sugerir publicamente uma espécie de golpe para o presidente Lula permanecer no poder.

O líder do PMDB na Câmara, Henrique Eduardo Alves (RN), disse que “falar em prorrogação de mandato é palavrão”. “Eu acho que o povo quer votar, o Legislativo tem que ter a ratificação do voto popular”, afirmou.

Para Henrique Fontana (PT-RS), líder do governo na Câmara, a proposta de Mabel não tem chance de ser analisada pelo plenário da Casa. “A nossa candidata à presidência é a ministra Dilma Rousseff [Casa Civil]. Não somos a favor de prorrogação nem de terceiro mandato”, disse o petista.

O presidente da Câmara, Michel Temer (PMDB-SP), evitou fazer comentários sobre a proposta do líder do PR. Mas sinalizou ser contrário à votação da matéria. “Eu prefiro não colocar esse assunto. Eu acho que o poder emana do povo, portanto é difícil essa tese”.

Proposta

Mabel defendeu nesta quinta-feira proposta de unificação das eleições em 2012, o que permitiria ao presidente Lula ficar por mais dois anos no poder.

O deputado defende que, ao invés da realização de eleições majoritárias em 2010 (para governadores, presidente da República, deputados e senadores), a disputa seria realizada em 2012 junto com a escolha de prefeitos e vereadores.

Na prática, se a mudança fosse aprovada, o presidente Lula ficaria no cargo até 2012 –assim como os senadores e deputados federais e estaduais. A mudança seria submetida à população por meio de referendo, o que poderia viabilizar a alteração constitucional até setembro deste ano –prazo máximo para mudanças na legislação eleitoral antes da disputa de 2010.

Segundo Mabel, a economia com a unificação das eleições seria da ordem de R$ 10 bilhões ao país.

Na opinião de Vaccarezza, os parlamentares não podem discutir mudanças que os afetam diretamente. “Não tem cabimento o próprio deputado prorrogar o seu mandato”, afirmou.

 

 

Folha

 

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Veja a agenda dos candidatos à Prefeitura de Campina Grande nesta sexta-feira

Os postulantes à Prefeitura de Campina Grande participam nesta sexta-feira (30) de gravações de guia, visita aos bairros e inauguração de comitê. Ana Cláudia (Podemos) 9h – Visita ao Terminal…

Ruy quer modernizar educação de JP e capacitar professores para novas tecnologias

O ensino de João Pessoa precisa ser modernizado para atender às expectativas da nova geração de alunos das escolas, com equipamentos de qualidade, internet de alta velocidade nas escolas municipais…