Por pbagora.com.br

Decisão atende a pedido da Procuradoria do Distrito Federal, que acusa o ex-parlamentar de ter praticado irregularidades em programa do Senado

 A Justiça Federal de Brasília determinou o bloqueio de R$ 750 mil em bens do ex-senador Efraim Morais (DEM-PB). A decisão atende a pedido feito numa ação de improbidade administrativa movida no ano passado pela Procuradoria da República do Distrito Federal (PR-DF) que acusa o ex-parlamentar de ter praticado irregularidades no programa Interlegis, do Senado. Esse programa, implementado em 2000 numa parceria com o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), tem o objetivo de modernizar e integrar todo o Poder Legislativo brasileiro.

A procuradoria sustentou na ação que Efraim, na época em que era diretor nacional do Interlegis, entre os anos de 2005 e 2008, deslocou funcionários que deveriam atuar exclusivamente no programa para a Primeira Secretaria do Senado, comandada por ele na ocasião. O próprio ex-senador admitiu, em declaração dada ao MP Federal, que um dos contratados pelo programa atuava na Paraíba, utilizando-se do seu gabinete de apoio parlamentar.

A direção do Senado, entretanto, afirmou que na ocasião esses funcionários do Interlegis só poderiam ser lotados em Brasília. Para o Ministério Público, o ex-senador agiu de forma ilegal ao permitir a transferência dos trabalhadores por meio de requisições de sua autoria.

Em despacho do último dia 16, a juíza federal substituta Maria Lina Silva do Carmo, da 20ª Vara Federal, decidiu tornar réu o ex-senador, decretar a indisponibilidade dos bens de Efraim e ainda impedir que ele faça transferência de recursos para terceiros. "Nesse contexto, rejeito todas as preliminares arguidas pelo demandado, porque este era, à época dos fatos, senador da República e há indícios veementes de que seja o autor de condutas que redundaram em dano ao patrimônio da União", afirmou a magistrada.

O ex-senador afirmou que não foi notificado e vai apresentar defesa. Atual secretário de Infraestrutura do governo da Paraíba e presidente do Democratas na Paraíba, ele disse que três funcionários contratados pelo programa foram colocados à disposição do seu gabinete. Segundo ele, o trio trabalhava para o Interlegis. "Eu, como presidente do Interlegis, acredito que não há nenhuma irregularidade", destacou.

Questionado se vai recorrer do bloqueio de bens, Efraim Morais disse que é uma decisão que cabe aos seus advogados tomar. Ele afirmou que o Tribunal de Contas da União (TCU) aprovou todas as contas da época em que comandou o Interlegis. "Vou agora fazer a minha defesa de que sou inocente e provarei que o pessoal trabalhava no programa", reforçou. Ele disse ainda que a Paraíba foi o primeiro Estado onde o programa conseguiu chegar a todos os municípios. Ele reconheceu que priorizou, na sua passagem pelo órgão, seu Estado no Interlegis.

Recentemente, a revista VEJA incluiu Efraim Morais na ‘Rede de Escândalos’, uma coletânea que lista os congressistas envolvidos em casos de corrupção em Brasília.

""

 



Redação 

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

“A oposição é a que menos deve ter pressa”, diz 1ª vereadora negra de CG

Apesar de ainda distante o tema ‘eleições para a mesa diretora da Câmara Municipal de Campina Grande’ vem sendo tema de intensas articulações entre os vereadores campinenses. De fato a…

Covid: “Se os casos na Casa aumentarem a gente vai fechar”, alerta presidente da CMJP

Apesar do aumento de casos da covid-19 em todo o estado, a Câmara Municipal de João Pessoa segue com as atividades presenciais. Entretanto, o presidente da Mesa Diretora, vereador João…