Por pbagora.com.br

Na entrevista à Jovem Pan, na noite desta segunda-feira, o deputado federal e presidente estadual do PSL-PB Julian Lemos disse que a guerra no PSL é um grande problema para Jair Bolsonaro (PSL). Na mesma entrevista ele destacou que os filho do presidente vão inviabilizar o Governo Federal.

“No momento em que você tira a estabilidade emocional de alguém… Esse problema do partido é um inferno astral hoje”, afirmou o parlamentar do PSL da Paraíba, um dos vice-líderes do partido na Câmara afastados por Eduardo Bolsonaro. Segundo Lemos, Bolsonaro não encontraria o mesmo espaço nem teria a mesma força em nenhum outro partido.

“Imagine uma casa, uma potência, com 53 deputados federais. Um fundo partidário. Isso é uma máquina. Uma ferramenta que o presidente não tinha, e hoje ele tem. Onde o presidente vai achar outra casa em que ele tenha tamanha influência?”, questionou o deputado.

Filhos de Bolsonaro – Noutro trecho, Julian dispara contra os filhos do presidente, “De fato, há uma interferência [dos filhos]. Se continuar nessa passada, dessa forma, os meninos vão inviabilizar muita coisa do governo”, afirmou o deputado do PSL da Paraíba.

“Não cabe um filho atacar um presidente de Poder”, prosseguiu Lemos. “Os Poderes tem que estar em harmonia, senão não funciona. O Congresso Nacional é que manda no país. Se você viver inflamando esse tipo de coisa, vai ter uma explosão ali e o presidente não vai ter controle.”

Perguntado sobre como Bolsonaro deveria agir em relação aos filhos, Lemos respondeu: “Não sei como o presidente deveria agir. Eu sei como eu agiria se fosse meu filho. Eu diria: senta aqui no canto e fica calado”. Apesar das críticas aos filhos do presidente, o parlamentar defendeu Jair Bolsonaro. “Eu honrei Jair Bolsonaro e honro até hoje. Não há possibilidade de eu o trair”, disse Lemos.

Na entrevista, Lemos ainda defendeu o presidente nacional do PSL, Luciano Bivar. “Não aceito injustiça. Bivar foi correto. Quando o nosso presidente ficou internado naquela tentativa de homicídio [a facada em Juiz de Fora, em setembro de 2018], teve passagens áreas e estadias que Luciano pagou do próprio bolso. Eu não aceito esse tipo de injustiça, não faço esse tipo de coisa.”

O deputado do PSL paraibano, quando questionado sobre como ficou sabendo que não era mais vice-líder do partido, respondeu: “Pelo Antagonista. É o correio das boas e das más notícias”.

 

Redação com o Antagonista

Notícias relacionadas

Opinião: sem pressa para decidir futuro partidário, Nilvan segue no MDB apenas como ‘observador’

Após ter sido derrotado nas eleições de 2020 na disputa pela prefeitura de João Pessoa, o radialista Nilvan Ferreira (MDB) – ferrenho oposicionista da gestão estadual – viu seu principal…

Pandemia: Bruno diz que ‘fechar’ CG é uma ameaça à sobrevivência da cidade

Prefeito destaca que o maior papel das instituições é intensificar as fiscalizações, que penalizam os inconsequentes e aqueles sem compromisso com a saúde da população   O prefeito Bruno Cunha…