Por pbagora.com.br
 
 

“Só tenho uma única certeza. Eu não estarei na extrema direita”. A declaração foi dada na tarde desta terça-feira (25), pelo governador da Paraíba, João Azevêdo (Cidadania), ao descartar qualquer possibilidade de apoiar a reeleição do presidente Jair Bolsonaro, em 2022. De acordo com João, a prioridade é apoiar um nome do Cidadania, partido do qual ele é filiado, todavia, caso não exista esse nome, ou caso esse nome dispute e não tenha êxito em um segundo turno, ele não terá  a menor dificuldade de marchar em prol da eleição do ex-presidente Lula (PT).

“Sou do Cidadania, e claro, se o partido tiver um candidato, evidentemente acompanharei o partido. Agora, não tendo, o partido apoiando um outro candidato, eu vou analisar que candidato é esse, se há uma identificação real de minha parte, se não houver, eu vou pedir ao partido a devida licença para seguir o caminho que eu achar que seja correto, necessário e que represente aquilo que eu penso do fazer política. Só tenho uma única certeza. Eu não estarei na extrema direita”, disse.

E prosseguiu:  “Não darei apoio ao atual presidente. E também não tenho a menor dificuldade para votar no presidente Lula, de forma nenhuma, até porque em 2018 votei em Haddad, então eu não tenho dificuldade para isso. O que estou dizendo é que sou do Cidadania e que se o Cidadania tiver um candidato, evidente que no primeiro turno nós estaremos apoiando o candidato do partido. Se ele não for para o segundo turno e tiver uma disputa que o ex-presidente estiver, logicamente nós estaremos sem nenhuma dificuldade o apoiando”.

Até agora, no entanto, no cenário nacional, o Cidadania não lançou nenhum nome de expressão para encabeçar a disputa.

PB Agora

 
 
Notícias relacionadas

Efraim sobre expulsão de Maia do DEM: “Não havia ambiente de convivência”

Líder da bancada do Democratas na Câmara Federal, o deputado Efraim Filho, do DEM, que foi o autor da proposta para expulsar o ex-presidente Rodrigo Maia da legenda, justificou, durante…

Opinião: Sem máscara!

Tive analisando essa proposta conflitante do nosso Presidente Bolsonaro, em tentar levar uma parte do povo a não usar máscara. Nisso aí não concordo com ele: todo mínimo de cuidado…