Por pbagora.com.br

EXCLUSIVO: O deputado estadual Jeová Campos (PT) revelou com exclusividade ao PB Agora que a eleição e posse da mesa diretora da Assembléia Legislativa da Paraíba estão com dias contados. É que os deputados do PT, PMDB e PSB decidiram entrar nos próximos dias com uma Ação Declaratória de Nulidade de Ato Legislativo, pedindo a anulação da eleição e posse do ato que reconduziu Arthur Cunha Lima em 11 de setembro para a presidência da Assembléia Legislativa da Paraíba.

Jeová Campos revelou que todos os deputados se reuniram e trataram do tema esta semana e já foi tomada a decisão de ir as barras da justiça: “Eu estou defendendo que as bancadas do PT, PSB e PMDB juntos interponham uma Ação Declaratória de Nulidade de Ato Legislativo relativos a eleição, mudança do regimento e posse de Arthur Cunha Lima”.

Perguntado sobre a legalidade da reeleição e posse da mesa, já que foi baseada na soberania das decisões tomadas em plenário, pois a Constituição do Estado prevê que: “…os legislativos têm a responsabilidade de legislar em sessões preparatórias a partir de 1º de fevereiro do ano da primeira legislatura, para a posse de seus membros e eleição da mesa para um mandato de dois anos, permitindo a recondução por mais dois anos para o mesmo cargo”, o deputado petista reconheceu a legitimidade do ponto de vista jurídico: “A Antecipação até poderia, a questão não é antecipar e sim como antecipou” ponderou Jeová.

“Uma lei se incorpora ao direito positivo após sua publicação. Isso é o Princípio da Publicidade, ou seja, a divulgação oficial do ato para conhecimento do público e início de seus efeitos externos para adquirirem validade universal” disse Jeová.

Jeová e os partidos que compõem a oposição na Assembléia Legislativa da Paraíba, afirmam que nesta Ação Declaratória de Nulidade de Ato Legislativo, provarão que o presidente Arthur Cunha Lima e sua bancada de sustentação cometeram erros inconstitucionais, que levará a anulação da eleição, e conseqüentemente, da posse da mesa diretora da ALPB. Para Jeová, no dia 11 de setembro não existia lei.

“Antes de sua publicação não é lei. O regimento é uma lei, e Arthur alterou esta lei em um único dia, sem publicar nada e sem passar por nenhuma comissão e neste mesmo dia fez a eleição. A publicação da lei foi no dia 12 de setembro e a eleição aconteceu um dia antes da publicação, ou seja, a eleição foi baseada em uma lei inexistente”, finalizou Jeová Campos.

Clilson Júnior
PB Agora

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Em São Bento: MPE ajuíza Aije por candidaturas ‘fantasmas’ na Câmara

O Ministério Público Eleitoral ajuizou uma ação de investigação judicial eleitoral (Aije) contra 16 candidatos do Partido Republicano da Ordem Social (Pros), do município de São Bento, por candidatura fictícia…

Saiba como será o plano de vacinação para o combate a Covid-19, na Paraíba

Em entrevista a imprensa, o Secretário Executivo de Gestão da Rede de Unidades de Saúde, Daniel Beltrami, destacou detalhes do plano de vacinação para quando a vacina de combate ao…