A Primeira Câmara do Tribunal de Contas da União rejeitou o recurso de reconsideração interposto pelo ex-prefeito Tarcísio Marcelo Barbosa de Lima, contra o Acórdão nº 3.365/2009, que julgou irregulares as contas do Convênio nº 1.502/2001, firmado entre o Ministério da Integração Nacional (MIN) e o Município de Belém, para a realização de obras de regularização da drenagem urbana e pavimentação de ruas em áreas de expansão urbana.

Segundo o processo, o convênio tinha vigência inicial até 31/12/2002, e possuía valor total de R$ 634.786,91, sendo que os recursos federais alocados eram no montante de R$ 600.000,00 e foram repassados ao município em 28/3/2002. Ao longo de 2002, especificamente nos meses de junho, agosto, setembro e outubro, o MIN realizou vistorias in loco nas obras, tendo constatado, em 22/10/2002, que a obra estava com execução de 15% e paralisada, com péssimo nível técnico de construção, apresentando, ainda, irregularidades em todos os aspectos de sua execução.

Tarcísio Marcelo alega que os recursos foram retirados da conta e ficaram na tesouraria do município, não tendo sido repassados à empresa e que a empresa apenas recebeu o pagamento pelos serviços prestados a partir de 27/6/2002.

Sobre os saques realizados pela Prefeitura, ele alega que não havia agência bancária no município e, por isso, considera impossível saber como fazer a gestão financeira dos recursos repassados.

Para o ministro Walmir Campelo, relator do processo, a justificativa de que o município não dispunha de agência bancária não é aceitável por duas razões. Primeiro, o dinheiro ficaria na prefeitura sob o risco de ser roubado ou extraviado. Segundo, o dinheiro ficando parado na prefeitura sem aplicação no mercado financeiro contraria o disposto no art. 20, §1º, transcrito acima. “De modo que não se mostram minimamente razoáveis os argumentos do recorrente”, afirmou.
 

 

 

Lana Caprina

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Socialista vai consultar Galdino e Vené sobre assumir Cidadania em CG

Assim como em João Pessoa, o comando do Cidadania em Campina Grande também deverá recair sob o comando de um Bruno, mas não o Cunha Lima. Enquanto na Capital do…

Articulação deve colocar MDB na vice de Ana Cláudia em CG e voltar a unir Vené e Maranhão no mesmo palanque

As articulações em torno de uma aliança entre o Podemos eu MDB em Campina Grande devem abortar a possibilidade de filiação do ex-deputado estadual Bruno Cunha Lima (sem partido) aos…