A coordenação do Focco (Fórum de Combate à Corrupção) decidiu, em reunião na segunda-feira (02), convidar para fazer parte de sua composição em 2009 representantes da Caixa Econômica Federal, Banco do Brasil e Banco do Nordeste.

“Resolvemos fazer o convite porque, direta ou indiretamente, instituições, como a Caixa, por exemplo, já participam de fiscalizações de recursos federais repassados para municípios, por meio de contratos”, explicou o coordenador-geral do Focco, Rainério Rodrigues Leite. Ele informou que está convidado também um integrante da Agência Estadual de Vigilância Sanitária (Agevisa).

Com a provável inclusão de integrantes dos três bancos e da Agevisa, amplia-se para 24 o número de órgãos e entidades que deverão passar a compor o Focco este ano. Rainério Rodrigues ressaltou que a coordenação já está formalizando os convites, através de ofícios às superintendências estaduais das instituições bancárias e Agevisa. Segundo o coordenador-geral, se concordarem com a participação, os novos órgãos irão atuar dentro de suas competências, fazendo com que o Fórum responda de forma mais tempestiva à sociedade, sobretudo na responsabilização dos maus gestores e empresas. 

De acordo com Rainério Rodrigues, a primeira reunião de 2009 também decidiu pela criação de uma rede de inteligência, formada por técnicos da Controladoria Geral da União (CGU), Tricunal de Contas da União (TCU) e Tribunal de Contas do Estado (TCE). “Eles irão investigar ocorrências de corrupção, como desvio de recursos e fraudes em licitações promovidas por gestores públicos e empresas, através de levantamentos em bancos de dados”, observou o coordenador -geral do Focco.  Rainério lembrou inclusive que o trabalho irá contar com a participação de um delegado da Polícia Federal.
 

Edvanildo Lobo

PB Agora

Total
0
Compartilhamentos
Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Vereador alerta para o risco de desabamento de prédio em CG e cobra atuação dos órgãos de fiscalização

Quem nunca se pegou “apreensivo” ao passar perto de uma obra e ter medo de que algo caia lá de cima que atire a primeira pedra. Isso é mais comum…

Para jornal francês, Congresso é casa de “300 ladrões com título de doutor”

Em longo artigo sobre a composição e a atuação do Congresso Nacional, o jornal francês Le Monde Diplomatique traça um perfil pouco edificante da maior casa do poder legislativo brasileiro.…