O acordo feito pelo deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ) antes das eleições para ser reconduzido à Presidência da Câmara pode ir por água abaixo caso o grupo de novos parlamentares eleitos e alinhados ao candidato à Presidência, Jair Bolsonaro (PSL), decida apoiar outro nome para o cargo.

 

Nesta terça-feira, 9, o filho do presidenciável, o também deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), afirmou que o grupo irá articular para que o próximo comando da Casa esteja alinhado às bandeiras de seu pai. Ele destacou ainda que o escolhido não necessariamente precisará ser do seu partido.

 

"Tem que conversar com ele porque existem algumas bandeiras que a gente gostaria de votar, como o Estatuto do Desarmamento. A gente quer pautar e votar o PL 3722 (que revoga o Estatuto do Desarmamento e estipula critérios para compra, possa e porte de armas de fogo no Brasil). Mas ainda vamos conversar", disse.

 

Maia fechou um acordo com os partidos de centro para desistir de disputar a Presidência da República em troca da garantia de ser reeleito presidente da Câmara. Assim, ele não polarizaria com Geraldo Alckmin, presidenciável pelo PSDB. Já o PSL elegeu 52 deputados nestas eleições. Hoje, a legenda possui apenas 8 parlamentares. O PSL será a segunda maior bancada da Casa, ficando atrás apenas do PT.

 

Questionado sobre se o PSL poderia apoiar algum nome do MDB para o comando do Senado, Eduardo Bolsonaro afirmou que a sigla pode avaliar a possibilidade, mas garantiu que se o escolhido for Renan Calheiros (MDB-AL) o partido será contrário.

 

"Renan Calheiros não. Seremos oposição. Ele é contra a redução da maioridade penal, ele é contra armamento. As pautas que ele defende são totalmente diferentes das que a gente defende, sem contar que ele estava de mão dada com Haddad na terra dele", disse.

 

Eleições

Para o deputado, os votos de alguns candidatos à Presidência que foram derrotados no primeiro turno tendem a migrar naturalmente para Bolsonaro no segundo turno. Ele citou como exemplos, Álvaro Dias (Podemos), João Amoêdo (Novo), Cabo Daciolo (Patriotas) e uma parte dos votos que foram dados a Geraldo Alckmin (PSDB).

 

Ele afirmou ainda não saber se todos os partidos do Centrão também apoiarão a candidatura do seu pai, mas disse que os deputados "certamente" darão este apoio na Câmara. "Aqui os deputados certamente, como já vinha essa tendência. Um pouco antes da eleição, o receio deles de nos apoiar durante o processo eleitoral era de perder fundo partidário. Mas uma vez finda a campanha, o próprio eleitorado vai pressioná-los", disse.

 

De acordo com Eduardo Bolsonaro, o pai deverá retomar as agendas externas de campanha ainda nesta semana. Ele afirmou que há a possibilidade de Jair Bolsonaro ir ao Nordeste na próxima quinta-feira, caso os médicos o liberem.

 

Redação

 


Leia mais notícias sobre o mundo jurídico no Portal Juristas. Adquira seu certificado digital E-CPF ou E-CNPJ com a Juristas. Entre em contato através do WhatsApp (83) 9 93826000

 

Total
0
Compartilhamentos
Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

JP: vereadores tentam justificar prazo vencido para apresentação da LOA 2020

A proposta da Lei Orçamentária Anual (LOA) 2020, da Prefeitura Municipal de João Pessoa, apesar de já está com prazos vencidos de apresentação na Câmara Municipal de João Pessoa (CMJP),…

Cientista político paraibano elenca motivos da baixa quantidade de mulheres eleitas na política

As regras da Justiça Eleitoral que buscam resguardar cotas mínimas de candidaturas femininas e de recursos financeiros a elas ainda não são garantia de que mais mulheres serão, efetivamente, eleitas…