Por pbagora.com.br

A suposta quebra de acordo para a sucessão da Mesa Diretora na Câmara Municipal de Campina Grande deixou estremecida a relação entre os dois integrantes da base governista na Casa Félix Araújo, Marinaldo Cardoso (Republicanos), e a campeã de votos Eva Gouveia (PSD). Agora o prefeito Bruno Cunha Lima (PSD), tem que atuar para “apagar o fogo”.

A polêmica começou após o presidente da Casa, o vereador Marinaldo Cardoso, garantir a sua permanência no cargo por dois anos, descumprindo  supostas negociações que antecederam a sua eleição para o cargo.

Estrategicamente, na sessão ordinária da última quarta-feira, o presidente inseriu na ordem do dia um projeto de resolução que transformava o mandato da mesa diretora de bienal em anual.

Já na quantidade de subscrições (18) ao requerimento para a votação do projeto em regime de urgência, havia a sinalização de que o presidente tinha o controle dos votos em plenário.

Com o aval de 14 vereadores, o projeto de resolução proposto pelo próprio Marinaldo, foi rejeitado, o que colocou por terra a expectativa da 1ª vice-presidente Eva Gouveia (PSD) de assumir o cargo no começo de 2022, como também da vereadora Fabiana Gomes (PSD) de assumir a Câmara em 2024, sucedendo ao vereador Sargento Neto (PSD).

A suposta “rasteira” de Marinaldo após a negociação ser desfeita, deixou Eva Gouveia indignada.

“Não acredito que amargo sozinha a decepção de ontem. Campina inteira viu o parlamento se apequenar numa condução que de grande, não teve nada. Todos sabem como o processo de construção dessa candidatura iniciou-se. Dentro de nossa casa, com as minhas digitais, com o meu nome e o meu mandato que avalizava uma candidatura até então desacreditada por alguns colegas” desabafou.

Chateada, Eva disse que não tinha ” problemas em assumir as construções que antecederam tudo isso”.  E acrescentou que todos os acordos políticos na Casa “são feitos com clareza e dentro de construções coletivas”.

“Campina sabe que retirei a minha candidatura ao primeiro biênio, opção que fiz para permitir que o sonho de um amigo se realizasse. Imaginei ser simbólico o Legislativo campinense eleger o primeiro presidente negro, que assim como Rômulo (Gouveia) chegava à presidência sem sobrenome político tradicional” observou.

No desabafo, a vereadora disse ainda que retirou a sua candidatura no primeiro biênio,  por entender que a realização deste sonho seria capaz de amenizar as feridas que Marinaldo Cardoso dizia ter em relação ao processo ´traumático´ de 2016.

“Meu papel nesse processo foi dirimir feridas nos que não pensaram duas vezes na hora de me causarem, não só a mim, mas a duas mulheres honradas e eleitas pelo voto popular, eu e a colega Fabiana Gomes, igualmente atingida pela inominável votação de ontem” desabafou.

Como vereadora mais votada, Eva Gouveia classificou a votação como “um circo de  apequenar nossa força”. “A vítima de ontem não foi Eva Gouveia. A falência moral de ontem sepultou a um só tempo muito atores.O acordo do anuênio nunca foi construído para sanar uma promessa política, mas para dar cumprimento a uma proposta que também não foi minha, mas de um outro colega, que enxergava essa opção como favorável e saudável ao Legislativo – a alternância de poder” desabafou.

Apesar da mágoa, a vereadora disse que Marinaldo terá para sempre o seu respeito porque a história dele exige isso.

” Dividimos por muito tempo esse jeito de fazer política. Hoje não tenho como dividir mais a confiança de tê-lo como um amigo. E isso dói. Dói porque repito: é uma morte para a vida. Espero, sinceramente, que a cadeira de presidente não limite, em retaliação ao meu desabafo, as capacidades de meu mandato e do trabalho dos que me acompanham” encerrou.

PB Agora

Notícias relacionadas

Levantamento do PB Agora contabiliza 10 nomes cotados para disputar única vaga da Paraíba no Senado em 2022

Um levantamento feito pela reportagem do PB Agora contabilizou ao menos dez nomes cotados para ingressar na disputa pela única vaga da Paraíba no Senado Federal nas eleições de 2022.…