Por pbagora.com.br

Caso se concretize a nomeação de Vital para Ministério, Lira retornará quase 20 anos depois ao Senado

O senador paraibano Vital do Rêgo (PMDB) poderá ser ungido nos próximos dias como novo ministro da Integração Nacional, em vaga que deverá ser aberta caso a presidente Dilma Rousseff (PT) aceite a exoneração do pernambucano Fernando Bezerra, apadrinhado político do governador Eduardo Campos (PSB). A informação foi publicada pelo jornal ‘Correio Braziliense’, o mais importante do Distrito Federal.

 

Em Brasília, a cúpula do PT é majoritariamente favorável à saída de Bezerra e de todos os auxiliares ligados ao governador Eduardo Campos do governo Dilma Rousseff, fazendo com que a manutenção da aliança com o PMDB em 2014 seja definida de uma vez por todas. Vale ressaltar que dissidentes nacionais a exemplo dos senadores Luiz Henrique (SC), Pedro Simon (RS), Jarbas Vasconcelos (PE) e os governadores Sérgio Cabral (RJ) e André Puccinelli (MS) pressionam o PMDB a não apoiar a reeleição da petista em 2014.

 

""

""

Em sendo concretizada a nomeação de Vital para o Ministério, quem retornará a cena política paraibana será seu primeiro suplente, o ex-senador Raimundo Lira.

Cajazeirense de nascimento e campinense por adoção, Lira é um bem-sucedido empresário na área automobilística, além de economista formado pela UFPB. Tem atualmente 69 anos de idade e está filiado ao PMDB.

 

Em 1986, surpreendeu o país ao se eleger senador pelo PMDB derrotando o ex-governador Wilson Braga. Em 1994, candidatou-se a reeleição pelo PFL, mas foi vencido por Humberto Lucena

 

Em 1998, chegou a registrar sua candidatura ao Senado, mas optou pela desistência diante do difícil cenário eleitoral contra o ex-governador Tarcísio Burity, o então senador Ney Suassuna e a sindicalista Cozete Barbosa. Suassuna acabou vencendo a disputa e Lira afastou-se da política por 12 anos, retornando apenas em 2010 quando se tornou suplente de Vital do Rêgo Filho.

 

Ytalo Kubitschek

PB Agora

 

Notícias relacionadas

Pesquisador paraibano analisa efeito do fim das coligações proporcionais que deve extinguir partidos pequenos

As eleições municipais do ano passado marcaram o fim das coligações entre partidos para a escolha dos vereadores. A medida, estabelecida pela emenda constitucional 97/2017, enfraqueceu e até representar o…