ELEIÇÕES 2014: estratégia política regional de alianças afasta candidatos Campos e Marina

Apesar do discurso público de sintonia, o governador Eduardo Campos (PSB-PE) e a ex-senadora Marina Silva divergiram a portas fechadas sobre a estratégia regional da aliança, selada há um mês.

A discordância ocorreu em um encontro há uma semana, véspera do ato em que PSB e Rede Sustentabilidade, o partido de Marina, começaram a discutir as bases para construir um programa único das duas forças políticas.

De acordo com relato feitos à Folha por participantes da reunião, realizada na casa do deputado federal Walter Feldman, em São Paulo, a ex-senadora defendeu que PSB e Rede lançassem candidatos próprios e com capacidade de gerar "fato novo" em Estados como São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais.

Campos, porém, lembrou que o PSB já vinha articulando outros caminhos nesses Estados, e que não tinha condições políticas de passar por cima de seus acordos.

Segundo relatos, Campos disse a Marina que o havia encontrado "vivo" após não conseguir montar a Rede a tempo de disputar a eleição porque ele tem aliados fiéis.

Alguns dos presentes relataram à Folha que a ex-senadora disse compreender as razões do neoaliado. Ambos, então, combinaram deixar a definição sobre candidaturas nos Estados para 2014.

O principal foco de divergência diz respeito a São Paulo, onde o deputado federal Márcio França (PSB), um dos escudeiros de Campos, trabalha para que a legenda mantenha o apoio à reeleição do governador Geraldo Alckmin (PSDB) e, assim, ele assuma a vaga de vice na chapa.

Apesar da reação firme à proposta feita por Marina no encontro, Campos não descartou a possibilidade de mudar de rota eventualmente.

A interlocutores, ele tem dito que pode precisar de França para coordenar sua campanha presidencial e diz que uma candidatura a vice no Estado, como é cogitado, o tiraria do foco nacional.

Internamente, Marina tem defendido o nome de Feldman, um de seus principais aliados na montagem da Rede, como candidato em São Paulo, o que não agrada ao outro lado da aliança.

A defesa de Marina por "fatos novos" nas candidaturas regionais tem como embrião o encontro em que ela e Campos selaram a aliança.

Na conversa decisiva, os dois acertaram, segundo aliados da ex-senadora, trabalhar para ter candidatos próprios. Como a Folha mostrou no último dia 18, porém, até agora só em Goiás o PSB alterou a rota que trilhava.

 

Folha

Total
0
Compartilhamentos
Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Análise: clã Cunha Lima inicia “ensaio” para voltar ao Governo da PB com Pedro

O protagonismo político do clã Cunha Lima na Paraíba foi, de certa forma, sepultado com a amarga derrota do ex-senador Cássio Cunha Lima (PSDB) que, no pleito de 2018, em…

JP: vereadores tentam justificar prazo vencido para apresentação da LOA 2020

A proposta da Lei Orçamentária Anual (LOA) 2020, da Prefeitura Municipal de João Pessoa, apesar de já está com prazos vencidos de apresentação na Câmara Municipal de João Pessoa (CMJP),…