Mais de 153 milhões de eleitores vão às urnas neste ano para eleger prefeitos e vereadores. Criminalização de fake news, boca de urna eletrônica e restrições aplicadas às campanhas podem aumentar número de denúncias e acirrar o pleito. Para Harrison Targino, que é integrante da Comissão Nacional de Direito Eleitoral da OAB e já atuou com juiz do Tribunal Regional Eleitoral da Paraíba (TRE-PB), representando a classe dos juristas, o eleitor, partidos, Ministério Público e Justiça estão mais atentos a excessos de gastos.

Em outubro deste ano, mais de 153 milhões de eleitores devem ir às urnas para eleger prefeitos, vice-prefeitos e vereadores. A quase 10 meses das eleições municipais, pré-candidatos começam a se organizar nos estados, e as eleições movimentam os bastidores da política. Neste ano, o pleito terá regras novas, muitas delas criadas em razão da popularização das redes sociais ou em decorrência de problemas identificados pela Justiça Eleitoral em experiências internacionais e nacionais. A principal alteração se refere às campanhas pela internet e às fake news. Apesar de a votação ocorrer apenas em outubro, o lançamento de pré-candidatos está autorizado, e políticos e partidos devem observar as regras para não infringirem a legislação.

A prática de fake news com fins eleitorais foi criminalizada no ano passado. Pode ser preso e até ter a candidatura suspensa o concorrente que espalhar informações inverídicas sobre a campanha de adversários, com o intuito de ganhar vantagem na disputa. Em junho, o Congresso aprovou pena de dois a oito anos de prisão para quem cometer essa prática, inclusive eleitores. A punição foi vetada pelo presidente Jair Bolsonaro, mas o Parlamento derrubou o veto e alterou a decisão promulgada em lei. A legislação prevê punição para “quem, comprovadamente ciente da inocência do denunciado e com finalidade eleitoral, divulga ou propaga, por qualquer meio ou forma, o ato ou fato que lhe foi falsamente atribuído”.

Segundo Harrison Targino, o eleitor, partidos, Ministério Público e Justiça estão mais atentos a excessos de gastos. “É bom lembrar que, o não o financiamento de campanha hoje baseia-se em doações de pessoas físicas ou nos fundos públicos eleitorais. O Fundo Especial de Financiamento de Campanha implicará no investimento de R$ 2 bilhões que serão distribuídos aos partidos políticos registrados, tomando por base sobretudo a bancada federal”, afirmou.

Conforme Targino, o PT, por ter a maior bancada, deve receber perto de R$ 200 milhões, PSL cerca de R$ 190 milhões, e o MDB, em torno de R$155 milhões, e assim por diante. “A distribuição entre os Diretórios Municipais em todo o país será feita por regras de cada partido, respeitada a exigência de destinar 30% para financiamento de candidaturas femininas”, explicou.

 

Redação

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Fatores que prejudicaram muito o bom desempenho da gestão de João Azevêdo

O governador João Azevêdo não teve muita sorte neste primeiro momento do seu mandato, de modo que, com certeza, não terá como fazer uma gestão dentro das expectativas dos paraibanos…

Romero define hoje retomada do comércio em CG, já a partir de segunda

O prefeito de Campina Grande, Romero Rodrigues, reúne-se hoje, por videoconferência, com representantes do comércio, serviços e indústria, além de Ministério Público Estadual e Ministério Público do Trabalho, para discutir…