Por pbagora.com.br

“Conhecendo ele como eu o conheço, irrequieto, ativo, ele não vai ser figurante, de modo algum”. A declaração é do deputado estadual Hervázio Bezerra ao comentar o papel que seu filho, Léo Bezerra (Cidadania) irá exercer na gestão municipal, ao lado do prefeito eleito e diplomado de João Pessoa, Cícero Lucena (PP).

Hervázio disse que até mesmo a postura adotada por Cícero impede que Léo seja mero coadjuvante na gestão. “Ele não vai preterir Léo, vai poder explorar, no bom sentido, quem está querendo ajudar, que é Léo”, ressaltou.

Apesar do distanciamento político por alguns anos, Hervázio ressaltou que ele nunca perdeu a amizade fraternal com Lucena. Ela ainda desafiou qualquer pessoa a mostrar uma declaração ou ataque dele ao atual prefeito.

“Desprovido de qualquer vaidade, esse defeito nunca tive, pelos cargos que ocupei jamais modifiquei meu modo de ser, minhas amizades. Todos sabem que eu era aliado de Cícero, a vida inteira, de repente me surgiu a oportunidade na condição de segundo suplente, para assumir a ALPB, coisa que jamais imaginaria e desde então desafio quem tenha ouvido ou fosse levar uma fofoca a Cicero de que eu fiz qualquer ataque de qualquer ordem. Sempre tive consideração de amizade, carinho e respeito, como digo de Ricardo Coutinho também. Não tenho motivo algum para falar mal de Ricardo. Jamais ninguém vai me ver ou ouvir falando mal dele, porque uma coisa é uma coisa e outra coisa é outra coisa, daí porque eu deixei as portas escancaradas para a vida que nos prega surpresa”, completou.

Hervázio ainda deixou claro que não contribuiu em nada com a indicação de Léo Bezerra para vice e que a decisão foi pessoal do governador João Azevêdo.

“Eu mesmo como pai, acompanhando, incentivando, eu não cheguei a enxergar o tamanho de Léo para que ele fosse o companheiro de Cícero. Eu particularmente não queria e ele também não, mas o governador enxergou esse potencial”, ressaltou.

O parlamentar disse ainda que Léo Bezerra não será uma figura apagada na gestão Cícero, tanto é que o próprio prefeito o convidou nesse final de semana para alinhar conversar e demandas.

“O entrosamento é bom. O cargo de Léo é vice-prefeito, mas se Cícero lhe atribuir uma missão ele não vai recuar nem recursar, ele vai tomar isso como uma missão e uma tarefa, e não com um espaço que vai lhe envaidecer. A vontade de Léo é ajudar Cícero”, concluiu.

 

PB Agora