A presidente Dilma Rousseff afirmou nesta segunda-feira (11) que irá realizar "substituições" na sua equipe ministerial no fim do ano, nas vagas de ministros que eventualmente participarão de campanhas em seus Estados no ano que vem.

Em conversa com jornalistas após a assinatura de atos no Palacio de Gobierno, em Lima, no Peru, Dilma disse que pretende fazer uma reforma ministerial, dando a entender que colocaria ao menos os secretários executivos das pastas no lugar dos titulares.

 

"É muito possível [que ministros deixem o governo para iniciar a campanha]. Vou fazer substituições. Agora já dei a notícia", disse Dilma.

A reforma ministerial com vistas a 2014 é especulada desde meados deste ano, quando a presidente iniciou veladamente uma maratona de eventos e anúncios e manifestou seu apoio às candidaturas de ministros como Alexandre Padilha (Saúde), para o governo de São Paulo, e de Fernando Pimentel (Desenvolvimento), para o governo de Minas Gerais.

 

Nesta segunda-feira, inclusive, visitou Lima acompanhada de Pimentel e ampliou discussões nas áreas de atuação de Padilha. No entanto, quando questionada se a troca de farpas entre seus aliados, o ex-prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab (PSD), e o prefeito Fernando Haddad (PT), poderia respingar na campanha do ano que vem, disse que não falaria de eleição.

"Estou aqui fazendo uma visita de Estado e vocês estão perguntando de eleição", disse Dilma.

Na edição desta segunda-feira da Folha, Kassab atacou seu sucessor, contra quem usou termos como "má-fé", "desonestidade" e "desrespeitoso". Foi a primeira vez que o ex-prefeito e presidente do PSD criticou o petista. Foi também uma resposta à entrevista de Haddad à Folha em que o prefeito disse ter encontrado a prefeitura em situação de "descalabro" e "degradação".

 

Folha

Total
0
Compartilhamentos
Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Cida Ramos descarta interferência de Lula na crise do PSB-PB

A deputada estadual Cida Ramos, do PSB, descartou, durante entrevista à reportagem do PB Agora, nesta terça-feira (12), a possibilidade de o ex-presidente Lula (PT) agir como um ‘pacificador’ para…

Cartaxo minimiza influência de Lula nas eleições de 2020

Apesar de solto, o ex-presidente Lula (PT) não deve exercer tanta influência nas eleições de 2020, sobretudo na Paraíba. Pelo menos é essa a análise do prefeito de João Pessoa,…