No Congresso Nacional, a quarta-feira de cinzas é de pouco trabalho. Os parlamentares reforçaram as atividades na semana passada para ter uma folga maior no carnaval. Não há votações previstas para esta quarta, nem na Câmara nem no Senado.

O serviço público em Brasília só começa a funcionar a partir das 14h – mesmo horário previsto para o retorno do presidente Luiz Inácio Lula da Silva ao Palácio do Planalto.

 

 

 

Presidência

Às 15h, Lula deve receber o ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio, Miguel Jorge. Há ainda uma expectativa de representantes da Embraer participarem desse encontro. O assunto a ser discutido deve ser as demissões anunciadas pela empresa na última quinta-feira, quando a empresa informou que cortaria 4,2 mil funcionários, cerca de 20% do quadro da empresa.

 

Segundo a Embraer, com a crise financeira internacional a empresa foi obrigada a refazer os cálculos de receita para este ano e também a reduzir os investimentos, que seriam inicialmente de US$ 450 milhões, e com a crise passaram a ser de US$ 350 milhões.

 

O número de aeronaves entregues este ano também deve cair, de 270 para 242 aeronaves. A Embraer é uma das empresas beneficiadas por recursos do BNDES.

 

Logo depois desse encontro, o presidente Lula deve receber o ministro de Minas e Energia, Edison Lobão. Eles deverão conversar sobre os modelos de exploração do petróleo da camada pré-sal. Às 17h30, a agenda do presidente aponta uma audiência com o Ministro-Chefe do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República, Jorge Armando Félix.

 

À noite, Lula deve comparecer a um jantar na embaixada na China.

 

G1

 

 

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Covid-19: advogados eleitorais preparam propostas para TSE, Congresso e Executivo

A crise provocada pelo Covid-19 coincidiu, no Brasil, com o ano eleitoral, o que trouxe desafios inéditos não apenas ao sistema de saúde, mas também à democracia no país. Com…

Análise: Bolsonaro desafia Constituição, ameaça ministros, põe em risco país e mima filhos envolvidos no “gabinete do ódio”

Não há dúvidas. O Brasil vive, hoje, dois problemas de graves proporções. O primeiro está na figura controversa do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) que, ao contrário de todos os…