Branco Mendes propõe lei instituindo equipe de transição para facilitar repasse de informações ao governador eleito

 

 

Tramita na Assembleia Legislativa o projeto de lei nº 1901, do deputado Branco Mendes, dispondo sobre a instituição de equipe de transição pelo candidato eleito para o cargo de Governador do Estado da Paraíba. De acordo com a propositura, ao candidato eleito para o cargo de Governador do Estado será facultado o direito de instituir equipe de transição.

Branco Mendes justificou o projeto dizendo que a inexistência de uma Lei estadual que discipline a transição governamental na Paraíba, dificulta o processo que acaba esbarrando na falta de interesse de alguns gestores em repassar informações importantes que, em alguns casos, são até sonegadas.

Na opinião de Branco, o processo de transição acontece sempre em clima de muita expectativa e o parlamentar considera que as ações do futuro governador e a execução do seu programa de governo, dependem, – entre outros fatores – do equilíbrio financeiro do Estado. “É, exatamente, na área econômica onde as informações costumam ser subtraídas, ou sonegadas”.

Segundo Branco Mendes a sua proposta pretende legalizar o trabalho da equipe de transição, “para que não seja obstaculado por interesses que não sejam os da população paraibana”. O deputado acredita que, dessa forma, será facilitado ao governador eleito inteirar-se do funcionamento dos órgãos e entidades que compõem a Administração Pública estadual e preparar os atos a serem editados imediatamente após sua posse.

O projeto de lei prevê que os “titulares dos órgãos e entidades da Administração Pública estadual ficam obrigados a fornecer as informações solicitadas pelo Coordenador da equipe de transição, bem como a prestar-lhe o apoio técnico e administrativo necessários aos seus trabalhos”.

No projeto de Branco Mendes estabelece-se que compete à Casa Civil do Governo do Estado disponibilizar, aos candidatos eleitos para os cargos de Governador e Vice-Governador, local, infra-estrutura e apoio administrativo necessários ao desempenho de suas atividades.

Branco Mendes acredita que, existindo uma legislação pertinente, os legisladores e a sociedade civil organizada, poderão ter uma participação mais efetiva no processo de transição governamental, na medida em que o repasse de informações e a transmissão de dados administrativos passam a ser uma exigência legal e não mais dependerá dos caprichos, como algumas vezes ocorre, do ocupante do Palácio da Redenção.

 

 

Assessoria

Total
0
Compartilhamentos
Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Processos no TCU vão apurar peripécias da família Bolsonaro

O jornal O Globo de ontem (18), trouxe que chegaram ao gabinete do ministro paraibano no Tribunal de Contas da União (TCU) Vital do Rêgo dois problemas em potencial para…

Senado discute reforma tributária e Aguinaldo deve apresentar relatório até 08/10

O Senado começa a discutir a reforma tributária nesta segunda-feira (19), quando a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) realiza audiência pública com especialistas no assunto. A reunião foi  solicitada…