Por pbagora.com.br

A Defensoria Pública do Estado da Paraíba (DPE-PB) fez uma recomendação para que à Prefeitura Municipal de João Pessoa revogue o ato administrativo que determinou a proibição da entrada de aparelhos celulares e equipamentos similares em unidades hospitalares da capital.

De acordo com a DPE, a proibição já era recomendada pela prefeitura, mas passou a ser obrigatória no início deste mês. A justificativa, segundo informações divulgadas pela Secretaria Municipal de Saúde, é de que tal medida evita a propagação do novo coronavírus (Covid-19) nas unidades de saúde.

Na recomendação expedida pela DPE-PB, os defensores públicos ressaltam que o usuário de serviço público tem direito à adequada prestação dos serviços, “devendo os agentes públicos e prestadores de serviços públicos observarem as seguintes diretrizes: definição, publicidade e observância de horários e normas compatíveis com o bom atendimento ao usuário; adoção de medidas visando a proteção à saúde e a segurança dos usuários; manutenção de instalações salubres, seguras, sinalizadas, acessíveis e adequadas ao serviço e ao atendimento”.

O documento também pontua que é direito básico do usuário a participação no acompanhamento da prestação e na avaliação dos serviços e que a publicidade representa condição de eficácia para os atos administrativos.

A prefeitura tem um prazo de 48 horas para informar se vai ou não acatar a recomendação. Em caso de negativa, não está descartada a adoção medidas judiciais a fim de assegurar o cumprimento da recomendação.

Redação

Notícias relacionadas

“Apresente ideias melhores”, reage Raniery sobre críticas a toque de recolher

O vice-líder do governo João Azevêdo (Cidadania) na Assembleia Legislativa, o deputado Raniery Paulino (MDB) rebateu as declarações do deputado oposicionista Cabo Gilberto que está colhendo assinaturas para tentar barrar…

Eleições da Mesa Diretora da ALPB e de mais 20 estados entram na mira da PGR

Membros da mesa diretora das casas legislativas não podem ser reconduzidos na mesma legislatura, opina PGR O procurador-geral da República, Augusto Aras, propôs ações diretas de inconstitucionalidade (ADIs) ao Supremo…