Por pbagora.com.br

 O ex-presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha (PMDB-RJ) afirmou ontem, 7, em depoimento ao juiz federal Sérgio Moro, que é alvo de um processo político e que corruptores internacionais são poupados.

“Gostaria também de dizer que estamos com um processo político aqui e que empresas estrangeiras, queria protestar, são poupadas de responsabilização e empresas brasileiras pagam bilhões no exterior além da perda de mercado.”

Cunha foi interrogado como réu em uma ação penal em que é acusado de ter recebido em suas contas na Suíça propinas de ao menos R$ 5 milhões referentes à aquisição, pela Petrobras, de 50% do bloco 4 de um campo de exploração de petróleo na costa do Benin, na África, em 2011.

O negócio foi tocado pela Diretoria Internacional da estatal, cota do PMDB no esquema de corrupção.

“A ação penal é indivisível, mas não houve, por exemplo, a responsabilização da Keppel Fels na sentença divulgada na semana passada, apesar da imputação direta da empresa pelo delator Zwi (Skornicki), ou da Samsung, onde é publica sua participação nos crimes de corrupção, que depôs o presidente da Coreia”, afirmou Cunha, ao final da audiência que durou cerca de três horas.

“As punições não podem ser seletivas e poupar os corruptores internacionais. Falo com a autoridade de quem foi responsável pelo impeachment da ex-presidente da República para defender a legalidade no nosso País.”

 

Redação com Correio Braziliense

Notícias relacionadas

Ao PB Agora, Ludgério fala sobre pós covid e faz desabafo: “Estou renascendo”

Ter se curado da Covid-19 não significou o fim da luta contra a doença para o deputado estadual Manoel Ludgério (PSD). Ele foi diagnosticado com o vírus no começo de…

“Temos convicção de que as medidas necessárias serão tomadas” diz Aguinaldo sobre vacinação em JP

O deputado federal e líder da Maioria no Congresso, Aguinaldo Ribeiro (Progressistas) participou nessa quarta-feira (14), em Brasília, de reunião com o prefeito de João Pessoa, Cícero Lucena (Progressistas) e…