Por pbagora.com.br

 O clima que já era tenso tomou conta dos corredores de vários órgãos ligados a prefeitura de João Pessoa e até no Centro Administrativo da Capital, o motivo, alertado anteriomente pelo portal, e que se concretizou na ultima terça-feira (31), quando servidores se defrontaram com suas contas zeradas, mesmo tendo trabalhado todo o mês de janeiro, fizeram o funcionalismo municipal acionar o sindicato para denunciar a “maquiagem” em seus salários.

 

O fato que causou estranheza por porte dos servidores, sindicato e imprensa se deu, pois os mesmos não conseguiram até o dia de ontem (01/02/2017), nenhum contato pessoal ou telefônico com os auxiliares do prefeito Luciano Cartaxo (PSD), Secretario de Articulação Política: Zennedy Bezerra e do presidente do Instituto de Previdência Municipal: Diego Tavares, ambos estavam com seus celulares desligados. A falta de comunicação por parte dos auxiliares diretos do prefeito gerou pânico em muitos servidores, muitos com mais de 35 anos de serviços prestados que não tiveram como quitar suas obrigações.

 

Segundo um chefe de gabinete de um vereador, que não quis se identificar, recebeu mais de 30 telefonemas perguntado sobre os salários e ele não sabe o que responder. O vereador, aliado do prefeito, com quem ele trabalha viajou e está incomunicável e assim fica mais difícil de encarar os aliados que trabalharam em vários setores da prefeitura e que não tem previsão de receber seus salário e nem de ter seus contratos renovados.

“Estou desesperado porque meus aliados foram exonerados e outros seguem trabalhando e mesmo assim não receberam. O clima é de tensão e eu não tenho nenhuma desculpa para responder. Nós sabiamos que iamos ter exonerações, mas não com essa dimensão. E os que trabalharam, vão receber? quando? Alguns seguem com a perspectiva de receber, e de ser efetivado ou ter o contrato renovado, mas o medo é grande de não receber e de perder o emprego”, revelou o chefe de gabinete.

 

Acuados e sem respostas os servidores da Prefeitura de João Pessoa procuraram o Sintram, desde o final da semana passada, com o reclamo de que o prefeito Luciano Cartaxo (PSD) não está pagando os salários da categoria, como legalmente devido, mas com ‘penduricalhos’ que, apenas, complementam pisos estabelecidos em PCCRs (Planos, Cargos, Carreira e Remuneração), no âmbito de cada órgão.

 

Segundo o presidente do Sintram, Francisco de Assis Pereira, os servidores querem que o Sintram una-se ao próprio Fórum municipal da categoria – envolvendo as administrações direta e indireta -, para solicitação de audiência, a Lucia Cartaxo, visando à solução para esse problema. Segundo ele, o prefeito está manipulando o cumprimento do dever constitucional, nesse caso, com adicionais de vencimentos que complementam o piso, específico, de cada classe funcional.

 

O chefe de gabinete da prefeitura, Hildevânio Macêdo explicou que quem tiver trabalhado e não recebeu verifique nas suas secretarias qual foi o problema para que não tenham recebido seus salários.

 

“Todos os prestadores de serviço e comissionados foram exonarados e alguns foram chamados de volta ao longo do mês, essa foi a decisão do prefeito na lei aprovada e com o objetivo de cortar custos. Quem por acaso tiver problema procure sua secretaria”, explicou Macêdo.

Redação

Notícias relacionadas

Condenações de Lula anuladas: “Decisões jurídicas devem ser respeitadas”, diz tucano da PB

Opositores e aliados de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) repercutiram o recente julgamento no STF (Supremo Tribunal Federal) que confirmou, por 8 votos a 3, a anulação de todas…

2021: governo gasta 12 vezes menos com pandemia nos primeiros 100 dias

O gasto do Poder Executivo no combate à pandemia de coronavírus nos 100 primeiros dias deste ano é 12 vezes menor do que a média de 2020. Até o último…