Fiador da candidatura de Geraldo Alckmin à Presidência, o bloco conhecido como Centrão está desnorteado com o imobilismo do tucano nas pesquisas de intenção de voto. Em conversas reservadas, aliados avaliam que, se Alckmin não reagir nem mostrar fôlego em uma semana, a campanha entrará em fase de agonia.
 

Formado por DEM, PP, PR, PRB e Solidariedade, o Centrão se divide agora sobre a estratégia a ser adotada, na tentativa de fazer o ex-governador de São Paulo decolar. A maior parte do grupo acha que é preciso concentrar o ataque no deputado Jair Bolsonaro (PSL), líder nas pesquisas de intenção de voto, e pregar o voto útil com mais vigor, deixando a artilharia pesada contra o petista Fernando Haddad para o final. 

Os defensores dessa tática argumentam que Alckmin só chegará ao segundo turno se conseguir desconstruir Bolsonaro, mostrando também que o capitão reformado, se eleito, não terá governabilidade. Para eles, esse movimento deve ser reforçado, mesmo com o deputado internado. Desde que Bolsonaro sofreu um atentado e foi atingido por uma facada em Juiz de Fora (MG), no último dia 6, a equipe do PSDB deu uma trégua. Agora, no entanto, decidiu retomar a ofensiva.

Líderes do Centrão foram consultados para discutir mudanças no roteiro da campanha de Alckmin. Nos bastidores, porém, alguns dirigentes do bloco pedem que o tucano reforce as críticas a Michel Temer, para se descolar da imensa impopularidade do presidente. Outros querem que o bombardeio na direção de Haddad seja feito o quanto antes.

Alckmin vai investir cada vez mais na mensagem de que é o único concorrente capaz de derrotar o PT no segundo turno. Sem conseguir avançar nas pesquisas de intenção de voto, e embolado com Ciro Gomes (PDT) e Haddad (PT), o tucano tenta, ainda, atrair votos do pelotão que está empatado com 3%, como João Amoêdo (Novo), Henrique Meirelles (MDB) e Álvaro Dias (Podemos).

Não são apenas os partidos do Centrão, porém, que mostram desconfiança em relação à capacidade de Alckmin chegar à segunda etapa da corrida. "Voto útil só pega se o candidato tiver credibilidade", afirmou o senador Cristovam Buarque (PPS-DF), que concorre à reeleição. "Alckmin tem credibilidade para dizer que é o mais preparado, mas não para mostrar mais chance de ir para o segundo turno e derrotar Bolsonaro."

O PPS está na coligação que apoia Alckmin, mas Cristovam faz críticas à campanha do tucano. Para o senador, a equipe do ex-governador não destacou a plataforma de governo para a Presidência e tem apresentado um programa sem emoção. "Agora, estamos caminhando entre a catástrofe e o desastre. Tudo indica que teremos de optar entre o furacão Florence e o tufão Mangkhut", provocou o senador. "A aposta feita para ganhar tempo de TV, fechando alianças que incomodam a população, termina sendo contraproducente", emendou ele, em uma referência ao Centrão. Por ter obtido a adesão do bloco, Alckmin conquistou o maior tempo na propaganda de TV, de 5 minutos e 32 segundos por bloco, o que corresponde a 40% de todo o espaço do horário eleitoral. 

 

Redação

 


Saiba mais sobre Certificação Digital no Portal Juristas. Adquira seu certificado digital E-CPF ou E-CNPJ com a Juristas Certificação Digital. Entre em contato através do WhatsApp (83) 9 93826000

 

Total
0
Compartilhamentos
Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Veneziano representa o Senado em evento de Turismo realizado em João Pessoa

O Senador Veneziano Vital do Rêgo (PSB) esteve nessa sexta-feira (18), ao lado do governador da Paraíba, João Azevêdo (PSB), participando da abertura da 9ª edição do JPA Travel Market,…

Vené parabeniza João pela liderança da PB no Ranking de Competitividade do NE

O Senador Veneziano Vital do Rêgo (PSB-PB) cumprimentou o governador João Azevêdo (PSB) por mais uma conquista da Paraíba, com repercussão nacional. Desta vez a Paraíba conquistou o 11º lugar…