Por pbagora.com.br

“Esse é um governo de ousadia, coragem e, sobretudo, compromisso com o futuro do Brasil”. A declaração foi proferida pelo vice-presidente do Senado Federal e candidato à reeleição, Cássio Cunha Lima (PSDB), em maio de 2017, ao se referir ao Governo Michel Temer (MDB), que chegava ao poder com o apoio do próprio tucano, ao impeachment da então presidente Dilma Rousseff.

Apesar do afago, mais de um ano depois, Cássio, em entrevista essa semana deixou claro que nunca apoiou o presidente Temer e que só fez os elogios ao emedebista por conta da transposição do Rio São Francisco e da iminência da chegada das águas à Rainha da Borborema e ao Sertão Paraíbano.

“Nunca fui um aliado do governo Temer. As pessoas usam muito a transposição do São Francisco, quando, de forma generosa, eu fiz um reconhecimento público à importância da conclusão da obra, porque para trazer água para Campina Grande e para torneira do Sertão vale até abraçar Temer”, justificou.

Segundo Cássio, o esforço que foi feito durante últimos tempos para Campina Grande escapar do colapso, que seria uma grande tragédia, foi o responsável por aquele momento.

“Então nunca tive apoiando Temer. Primeiro sou vice-presidente do Senado e nunca tive cargo no Governo e você só é aliado tendo cargo e eu nunca tive”, arrematou.

Sobre ter dado sustentação ao Governo Temer no Congresso Nacional, Cássio também negou e disse, pela primeira vez, publicamente, que Pedro Cunha Lima só votou contra Temer porque foi aconselhado por ele e pela executiva na Paraíba. Conforme Cássio, Pedro o ouviu antes de tomar a decisão de se posicionar contra o emedebista.

“Na verdade tão logo o Governo Temer começou, surgiu a denúncia da JBS. O deputado Pedro me ouviu e ouviu o partido. Pedro votou contra Temer duas vezes representando a ele próprio, a mim e ao PSDB da Paraíba. Ali foi um diviso de águas. Não havia como garantir apoio a qualquer que fosse a pessoa que estivesse à frente da presidência da república, sob a crença que tenho de que ninguém está acima da lei. Todos podem e devem ser investigados e as denúncia sob o presidente Temer eram gravíssimas, e mais uma vez, sintonizados com a maioria do povo da Paraíba e do Brasil, Pedro, em meu nome, meu filho votou pelo afastamento de Temer em duas ocasiões, o resto é proselitismo político”, arrematou.

As declarações do senador foram veiculadas em entrevista ao programa Arapuan Veredade.

 

PB Agora

 


Garanta um desconto especial na sua certificação digital no Juristas Certificados Digitais

 

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

TCE-PB reprova contas de ex-prefeito de São Bento com imputação de débito de R$ 582 mil

O ex-prefeito de São Bento, Gemilton Souza da Silva, vai ter que ressarcir aos cofres do município a quantia de R$ 582,3 mil, referente à falta de prestação de contas…

Justiça proíbe prefeito de Santa Rita de fazer novas contratações de servidores

A 5ª Vara Mista de Santa Rita deferiu o pedido de tutela antecipada requerido pelo Ministério Público da Paraíba (MPPB) e determinou que o prefeito do município, Emerson Panta, abstenha-se…