Boa parte da sessão plenária desta terça-feira (22/10) no Senado Federal serviu de palco para críticas ferozes da oposição às condições do Leilão do Campo de Libra. A razão é simples: a expectativa oficial era de que o campo fosse disputado por 40 empresas e, no final, apenas um consórcio apresentou proposta, arrematando a área de pré-sal pelo lance mínimo.

O senador Aécio Neves (PSDB-MG), em pronunciamento nesta terça-feira (22), criticou as condições do leilão do Campo de Libra, que, para ele, teriam reduzido o interesse dos investidores pelo negócio; e classificou como "extremo ufanismo" a atitude da presidente Dilma Rousseff de comemorar em cadeia nacional o resultado de um leilão que teve um único participante.

QUEDA – No longo período decorrido entre a descoberta das reservas do pré-sal e a retomada dos leilões, o governo petista – com Dilma até 2010 à frente do conselho de administração da Petrobras – paralisou a indústria de petróleo no país. A área de exploração recuou a um terço do que era em 2008.

O país também assistiu nossa maior empresa murchar (o valor de mercado da petroleira caiu 34% desde 2007), produzir menos petróleo e ser obrigada a importar derivados para abastecer o boom de carros nas ruas, alimentado pela política de incentivo ao consumo, patrocinada pelo PT. Não é à toa que a Petrobras tornou-se a companhia mais endividada do mundo, segundo o Bank of America Merril Lynch.

SOBREPESO – A penúria da Petrobras é fruto direto dos sobrepesos que o governo lhe impôs. Para a Petrobras, era fundamental que Libra fosse arrematado pelo preço mínimo, sob pena de a estatal ter ainda mais dificuldades para aportar os recursos necessários – serão R$ 6 bilhões, provavelmente a ser honrados pelos sócios e depois compensados em óleo pela empresa nacional.

Da tribuna, o senador Aécio Neves (PSDB-MG), criticou as condições do leilão do Campo de Libra, que, para ele, teriam reduzido o interesse dos investidores pelo negócio; e classificou como "extremo ufanismo" a atitude da presidente Dilma Rousseff de comemorar em cadeia nacional o resultado de um leilão que teve um único participante.

BÔNUS – O detalhe curioso do leilão é que as empresas vencedoras terão de pagar vultosos bônus (chamados “de assinatura”) para assumir o pré-sal. São R$ 15 bilhões, que foram, no fim das contas, a única razão para que o governo federal finalmente leiloasse agora o gigantesco campo – que equivale a quase toda a reserva provada de petróleo conhecida no Brasil.

Para o senador Cássio Cunha Lima (PSDB-PB) isso acontece porque “o dinheiro arrecadado irá todo para engordar o caixa do governo e produzir um superávit fiscal menos feio do que se temia, em função dos desequilíbrios em série que a gestão Dilma tem produzido nas contas públicas”.

GRAVIDADE – “A contabilidade criativa do Governo Federal, já no ano anterior, não conseguiu fazer aquilo que é basilar numa gestão fiscal minimamente responsável, que é o superávit primário. Fizeram uma química contábil para cobrir o déficit primário de R$20 bilhões no exercício findo. Agora, com a realização do leilão, um leilão monocrático onde não houve disputa, os R$15 bilhões arrecadados servirão para, mais uma vez, falsear o superávit primário de um País que caminha para uma situação de extrema gravidade fiscal pela irresponsabilidade da gestão que ora o Brasil possui nessa área” – disparou Cunha Lima.

O senador paraibano afirmou, em alto e bom som, que ninguém sabe como o Brasil poderá sobreviver por muito mais tempo com uma gestão tão desastrada e temerosa como a que temos na atualidade. Ele disse não ter dúvidas de que “o preço a ser pago no futuro será extremamente alto”.

LADEIRA ABAIXO – Cássio chamou atenção, ainda, para a situação dos pequenos investidores brasileiros, que foram estimulados, no passado, a adquirir ações da Petrobras e hoje assistem ao despencar constante das ações da empresa na Bolsa de Valores.

Aécio fez uma avaliação negativa do modelo de partilha, sublinhando que o Campo de Libra teria sido disputado em um "leilão de verdade" se continuasse em vigor o modelo de concessões. O senador declarou esperar que a Petrobras se afaste da disputa ideológica e volte a servir aos interesses do povo. Outros senadores se somaram às manifestações.

“ARCAICO” E “CAMBALEANTE” – Francisco Dornelles (PP-RJ) declarou sua surpresa pelo surgimento de um único consórcio interessado no Campo de Libra sob o modelo "arcaico e estatizante" de partilha e argumentou que o governo deve reconhecer o quanto errou em sua política energética. Para José Agripino (DEM-RN), o governo atual embarcou numa "aventura" e a Petrobras terá dificuldade para assegurar sua parcela de 40% de investimento no Campo de Libra. Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP) acredita que Dilma comemora um fracasso, mas manifestou sua certeza de que o próximo leilão de petróleo será feito sob um governo diferente. Flexa Ribeiro (PSDB-PA) disse que a administração do PT deixou a Petrobras "cambaleante".

Com Agência Senado

Total
0
Compartilhamentos
Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Ricardo Barbosa prevê pacificação no PSB prestes a acontecer

O líder do governo na Assembleia Legislativa, o deputado Ricardo Barbosa, (PSB), ainda crê em superação da crise no Partido Socialista Brasileiro. Em entrevista, ele deixou claro, que torce pela…

Deputado critica Cartaxo por proibir Feira Agroecológica, em JP: “Volte atrás e apoie os trabalhadores”

O deputado federal Frei Anastácio (PT/PB) repudiou, nesta semana, a decisão da Prefeitura de João Pessoa que proibiu a realização da Feira Agroecológica do Ponto de Cem Réis, organizada por…