Os partidos já destinaram R$ 1,4 bilhão para candidaturas nas eleições deste ano, segundo a primeira parcial da prestação de contas, divulgada pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE). As candidaturas a deputado receberam a maior parcela: R$ 930 milhões do total – o equivalente a 68,7% do montante. Os números finais devem ser apresentados pelos candidatos à Justiça Eleitoral em até 30 dias após o fim das eleições.

Esta é a primeira eleição com o Fundo Eleitoral, que totaliza R$ 1,7 bilhão, destinado a financiar candidaturas após a proibição das doações de empresas, em 2015. Os diretórios também podem repassar dinheiro recebido pelo Fundo Partidário(previsto em R$ 513 milhões neste ano) e por outras fontes (doações e contribuições, por exemplo).

Apenas três partidos (MDB, PR e PP) respondem por mais de 1/3 (36,9%) desses repasses a candidatos. O MDB foi a sigla que mais destinou dinheiro a candidaturas – no total, R$ 202 milhões. PR e PP transferiram R$ 162,2 milhões e R$ 142,5 milhões, respectivamente.

O PCO foi o único partido a declarar que não repassou dinheiro a candidatos. Já os partidos PPL, PMB e Novo foram os que transferiram menos dinheiro para candidatos. O PPL, por exemplo, destinou R$ 320 mil a candidaturas, sendo que 62,4% desse valor foram destinados à campanha do presidenciável João Goulart Filho.

PMB e Novo transferiram R$ 428 mil e R$ 471 mil a candidaturas, respectivamente.

Na prestação de contas parcial, 20 partidos informam que destinaram a maior parte do montante para nomes que concorrem a deputado federal. Já partidos menores, como DC, PPL, PSTU, Rede e Novo, registraram mais gastos com as candidaturas ao Poder Executivo.

Percentualmente, o PSTU foi o partido que mais destinou dinheiro para a disputa a presidente. Em números absolutos, porém, o PSDB é a sigla que mais transferiu recursos à candidatura presidencial (R$ 45,9 milhões), seguida pelo PT (R$ 20 milhões).

Geraldo Alckmin (PSDB): R$ 44,3 milhões

Fernando Haddad (PT): R$ 20 milhões

Ciro Gomes (PDT): R$ 12,5 milhões

Marina Silva (Rede): R$ 5,6 milhões

Guilherme Boulos (PSOL): R$ 4,2 milhões

Alvaro Dias (PODE): R$ 3,2 milhões

Eymael (DC): R$ 828 mil

Vera Lúcia (PSTU): R$ 400 mil

Jair Bolsonaro (PSL): R$ 268,9 mil

João Goulart Filho (PPL): R$ 200 mil

Apenas os presidenciáveis Cabo Daciolo (Patriota) e João Amoêdo (Novo) não receberam repasses dos partidos. Cinco dos 13 candidatos a vice-presidente também ganham dinheiro dos diretórios.

Kátia Abreu (PDT): R$ 3,5 milhões

Germano Rigotto (MDB): R$ 2 milhões

Sonia Guajajara (PSOL): R$ 1,8 milhão

Ana Amélia (PP): R$ 1,5 milhão

Eduardo Jorge (PV): R$ 100 mil

Distribuição por região

Mais da metade do dinheiro repassado pelos partidos teve como destino nomes que concorrem no Sudeste ou no Nordeste. O PSL, sigla que abriga o presidenciável Jair Bolsonaro, foi o partido que destinou a maior parcela para candidaturas do Nordeste – o equivalente 67,4% do total.

Esse percentual se deve, principalmente, ao ex-presidente do partido Luciano Bivar, que é candidato a deputado federal pela Paraíba e recebeu 1,8 milhão do PSL, segundo a parcial do TSE.

Por outro lado, quase todos os repasses do Novo (95,9%) foram para o Sudeste. A fatia maior foi para a candidatura de Rogerio Chequer a governador de São Paulo. O Novo diz que não usa os fundos eleitoral e partidário e que o dinheiro do diretório vem de filiados e apoiadores.

Já o PSB aposta na chapa para o governo de Pernambuco, para a qual repassou mais de R$ 6 milhões. A chapa é formada por Paulo Câmara, candidato a governador, e Luciana Santos, candidata a vice-governadora. Eles receberam R$ 4,5 milhões e 1,7 milhão, respectivamente.

O PRB, por exemplo, se destaca por ter destinado 17% dos repasses para São Paulo e 10,2% para candidaturas do Rio de Janeiro. Em SP, o deputado federal Celso Russomanno recebeu R$ 1,5 milhão. Esse valor é quase o dobro do candidato do PRB que teve o segundo maior repasse: Maria Rosas (R$ 840 mil).

No RJ, o principal destinatário do dinheiro foi Eduardo Lopes, que tenta a reeleição ao Senado. Antes de Marcelo Crivella assumir a Prefeitura da capital, Lopes era 1º suplente na Casa.

No DEM, 19,2% do montante transferido para candidaturas também foram para o Rio de Janeiro. O ex-prefeito Eduardo Paes tenta se eleger governador e recebeu R$ 3,9 milhões da sigla. Os deputados federais Sóstenes Cavalcante e Laura Carneiro tentam se reeleger no estado e também conseguiram abocanhar parte do montante. Cada um ficou com cerca de R$ 1 milhão do DEM.

Recursos de partidos

O Fundo Eleitoral foi criado em outubro de 2017 pelo Congresso Nacional com o objetivo de financiar as campanhas com recursos públicos. O montante do fundo foi fixado em R$ 1,7 bilhão. Desde setembro de 2015, as doações de empresas a campanhas eleitorais estão proibidas.

A maior parte do Fundo Eleitoral (R$ 1,3 bilhão) é formada por dinheiro que ia ser destinado para emendas parlamentares de bancada, formada por deputados e senadores.

G1 

 


Leia mais notícias sobre o mundo jurídico no Portal Juristas. Adquira seu certificado digital E-CPF ou E-CNPJ com a Juristas. Entre em contato através do WhatsApp (83) 9 93826000

 

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Bolinha tenta trazer para sua pré-candidatura em CG o apoio do DEM

Pré-candidato a prefeito de Campina Grande, pelo partido do deputado federal Julian Lemos (PSL-PB), o empresário campinense Artur Bolinha, ofereceu ao DEM comandado no Estado pelo deputado federal Efraim Filho…

Idosa morre após ser baleada por acidente no Sertão da Paraíba

No início da manhã desta segunda-feira (20), uma idosa de 67 anos morreu após ser atingida por um tiro acidental com a arma do companheiro, no Sertão da Paraíba. Segundo…