Ex-deputado federal pela Paraíba, o petebista Philemom Rodrigues não tem mandato, mas não largou o osso na Câmara Federal. A coluna deste domingo (22) do jornalista Cláudio Humberto, que escreve para jornais de todo país, traz a informação de que o parlamentar, acusado de participar do esquema Sanguessuga, foi nomeado para cargo de assessor de relações internacionais no gabinete do presidente da Casa, Michel Temer (PMDB-SP). Philemom recebe quase R$ 8 mil pelo cargo de Natureza Especial, segundo Cláudio Humberto.

VEJA A NOTA

“Sanguessua” ganha boquinha na Câmara

O ex-deputado Philemom Rodrigues, do PTB, acusado de envolvimento no escândalo dos Sanguessugas, conseguiu uma boquinha de R$ 7 mil por mês: foi nomeado para cargo de NE (Natureza Especial) na assessoria de relações internacionais no gabinete do presidente Michel Temer, do PMDB. Ex-deputado por Minas, ele era da bancada da Paraíba quando o estourou o escândalo. Ele sempre negou envolvimento no caso.

PB Agora

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Juiz eleitoral diz que renúncia de Berg não provoca nova eleição

Após o prefeito afastado de Bayeux, Berg Lima, protocolar carta renunciando ao cargo público, o  juiz Euller Jansen, da 3ª Vara de Bayeux e 61ª Zona Eleitoral, declarou que o…

Walter Brito Neto volta a virar pedra no sapato do MDB em CG

Assim como aconteceu nas eleições de 2018, quando tentou se impor como candidato ao Senado Federal na chapa encabeçada pelo senador Zé Maranhão (MDB), o ex-deputado federal Walter Brito Neto…