Carolina Antunes/PR

Em entrevista coletiva realizada no final da tarde desta sexta-feira (24), o presidente da República Jair Bolsonaro comentou a saída de Sérgio Moro do Ministério da Justiça, na manhã de hoje. Bolsonaro criticou o empenho da Polícia Federal sob a gestão de Moro no caso Marielle e alegou falta do mesmo empenho na tentativa de assassinato sofrida por ele. O presidente fez questão de ressaltar que o diretor-geral da PF, Maurício Valeixo, teria pedido sua demissão.

“Uma coisa é conhecer uma pessoa. Outra coisa é conviver com ela”, disse o presidente ao iniciar seu discurso. Bolsonaro iniciou sua fala lembrando que com a chegada de Moro ao Ministério da Justiça abriu mão de nomear pessoas para cargos chaves na pasta e deixou a escolha dos nomes por conta do então ministro. “Confiava no Sergio Moro”.

Jair disse que a Polícia Federal demonstrou mais empenho em identificar quem mandou matar Marielle do que quem ordenou lhe esfaquear, lembrando a tentativa de assassinato sofrida por ele.

Descontente com Valeixo na direção da instituição, Bolsonaro teria dito a Moro que desde janeiro o próprio diretor estaria tentando deixar a PF. “O ministro Sérgio Moro sabia disso”.

Ao sugerir a saída do então diretor, Bolsonaro teria dito a Moro que, de acordo com a lei, seria prerrogativa sua escolher o nome de comando para a PF. No entanto, segundo o presidente, Moro teria dito que aceitaria a saída do Valeixo, mas só em novembro, após sua indicação para o STF. “Se eu posso trocar um ministro, porque não posso, de acordo com a lei, trocar um diretor da Polícia Federal?”.

Sentindo-se traído, Bolsonaro acusou Moro de ter compromisso com sua própria biografia, mas não com o país. “Estou decepcionado com o seu comportamento”.

Bolsonaro rebateu as informações apresentadas por Moro durante coletiva na manhã desta sexta-feira e disse que jamais buscou interferir em investigações ou inquéritos da Polícia Federal, mas destacou a necessidade de, quando quiser, poder entrar em contato com superintendentes e diretores sem, obrigatoriamente, ter que passar pelo ministro.

“Não tenho mágoa do ministro Sérgio Moro, disse Bolsonaro e acrescentou que, caso Moro queira um cargo com independência , que seja candidato à presidência em 2022.

 

PB Agora

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

“Não brinco de ser candidato”, diz Raoni ao descartar possibilidade de desistência na disputa pela PMJP neste ano

Descartando qualquer possibilidade de dar ‘marcha ré’, na sua pretensão de disputar a prefeitura de João Pessoa, nas eleições deste ano, o pré-candidato a prefeito de João Pessoa, Raoni Mendes…

Opinião: pré-campanhas eleitorais sofrem desaquecimento com a Pandemia. Prefeitos querem adiamento

A pandemia do coranavirus também desacelerou as pré-campanhas para prefeitos e vereadores, tanto em João Pessoa, como em Campina Grande e demais municípios paraibanos. Enquanto aumenta a dúvida sobre a…