Por pbagora.com.br

Dois anos depois de ter assumido a Presidência do Chile, Michelle Bachelet afirmou nesta quinta-feira que a discussão sobre a descriminalização do aborto deve deixar de ser um "tabu", depois das críticas que recebeu da direita e da Igreja, ao anunciar, ontem, que enviará um projeto de lei sobre o tema.

"Eu respeito todas as opiniões. Sou pediatra e amo crianças. No entanto, isto é um tema tabu e eu acho que não devem existir temas tabu, já que são antidemocráticos", disse ela em uma entrevista ao canal de televisão "Mega".

Ontem, perante o Congresso, a presidente anunciou sua intenção de elaborar um projeto de lei para descriminalizar o aborto quando a mãe estiver em risco de morte, nos casos de estupro ou se o feto for inviável.

O tema, que Bachelet já adiantou em seu programa eleitoral, gerou reprovação da oposição conservadora e da Igreja Católica, assim como o ceticismo de alguns setores governistas como a Democracia Cristã (DC).

O ex-presidente Sebastián Piñera (2010-2014) também criticou o projeto. Pelo Twitter, ele comparou a preocupação do executivo de Bachelet com a descriminalização com o projeto para cuidar dos animais de estimação que o governante anunciou nesta quarta-feira.

"Parece que há mais cuidado e preocupação com o bem-estar dos animais de estimação do que com a vida e a dignidade das crianças que estão para nascer", disse o ex-presidente na rede social.

Bachelet lembrou hoje que o aborto terapêutico era permitido no Chile durante a ditadura de Augusto Pinochet (1973-1990), e considerou que o assunto "é um problema de saúde pública" que deve ser discutido na sociedade e no parlamento.

"Eu nunca vou impor nada a ninguém; o Estado deve dar opções para estes temas", assinalou a presidente, que lamentou que em todos os meses mulheres morram por culpa de abortos ilegais realizados sem as condições médicas adequadas.

O aborto é proibido no Chile por uma norma imposta pelo ditador Augusto Pinochet em 1989, pouco antes de entregar o poder. Ele modificou o artigo 119 do Código Sanitário, que desde 1931 permitia o aborto terapêutico no país.

Após a modificação, o texto assinala que "não poderá ser executada qualquer ação cujo fim seja provocar o aborto".

O país é um dos três países americanos que proibem totalmente o aborto. O outros dois são El Salvador e Nicarágua. Além disso, no Chile, 67% da população se considera católica e não permite o casamento entre pessoas do mesmo sexo.

Com informações da EFE e do jornal El País.

Notícias relacionadas

Ao lado de Aguinaldo, prefeito pede a ministro recursos para Saúde de São José de Espinharas

Neste sábado (17) o Prefeito de São José de Espinharas, Netto Gomes (Progressistas), participou juntamente com o deputado federal e líder da Maioria no Congresso, Aguinaldo Ribeiro (Progressistas) da visita…

Estados liderados por bolsonaristas encabeçam mortes por covid-19; veja posição da Paraíba

Um estudo feito pela unidade de inteligência do portal Congresso em Foco mostra que os estados que mais votaram em Jair Bolsonaro no primeiro turno das eleições presidenciais de 2018…