Por pbagora.com.br

O tratamento que o Senado dará aos atos secretos será discutido por integrantes da Mesa Diretora da Casa na próxima segunda-feira (3), quando o Congresso retomará as atividades legislativas.

Ontem, em São Paulo, um relatório sobre o cancelamento desses atos editados nos últimos 14 anos foi apresentado pelo diretor-geral do Senado, Haroldo Tajra, ao presidente da Casa, José Sarney (PMDB-AP).

De acordo com o documento, aproximadamente 80 servidores são passíveis de demissão porque suas nomeações apresentam falhas na publicação.

Além disso, o relatório preliminar também prevê a abertura de processos individuais para demitir servidores nomeados por atos secretos. Entretanto, existe a possibilidade de a Casa recontratar esses servidores caso exista interesse na permanência deles.

À Agência Brasil, assessores da Direção Geral do Senado explicaram que o relatório dividiu os atos secretos em nove grupos distintos. O objetivo é facilitar a análise dos efeitos e implicações financeiras dessas decisões sem publicidade.

Congresso em Foco

Notícias relacionadas

Adriano, Murilo, Nabor e Hugo discutem recursos para Paraíba e projeções políticas para 2022

O presidente da Assembleia Legislativa da Paraíba, Adriano Galdino, o prefeito de Patos Nabor Wanderley, o deputado federal Hugo Motta e o secretário de Articulação Política do Estado, Murilo Galdino,…

Opinião: a pandemia mudou o mundo e fez o PT buscar novos caminhos para enfrentar Bolsonaro

A grande história do ser humano foi marcada, em momentos cruciais, com avanços científicos, tecnológicos e até mesmo guerras. E sim! O homem vive, na atualidade, essas três vertentes de…