Por pbagora.com.br

Ter se curado da Covid-19 não significou o fim da luta contra a doença para o deputado estadual Manoel Ludgério (PSD). Ele foi diagnosticado com o vírus no começo de março e teve alta na última terça-feira (13). Porém, ainda há sequelas causadas pela doença que ele precisa tratar antes de retornar à vida pública. Em entrevista ao PB Agora, nesta quinta-feira (15), o parlamentar falou do seu “renascimento” e de sua rotina nas próximas semanas.

“Pneumologista, psiquiatra e daqui a pouco vou ao serviço público municipal para agendar a fisioterapia cardiorrespiratória. É um virus que faz-se necessário muita atenção no pós-alta. Na minha humilde visão, não é apenas o repouso em casa, mas ser perseverante, transparente, compreender as possíveis sequelas, focar e trabalhar para vencer essa etapa também. Estou renascendo em todos os aspectos. Deus abriu e fez enxergar uma nova porta para a vida”, pontuou.

Apesar dos compromissos médicos, o deputado campinense descarta pedir uma licença médica da Assembleia Legislativa da Paraíba. Ele crê que ficar 121 dias afastado para a ascensão de um suplente não seria o mais correto do ponto de vista do dinheiro público que, para ele, deve ser a prioridade neste momento de pandemia. Com a licença médica, tanto Ludgério quanto o suplente receberiam os vencimentos do Parlamento.

“Licença de 121 dias para ascensão de suplente de deputado, não creio ser necessário. Estamos em meio a uma pandemia. Licença médica significa aumento de despesas e o dinheiro público tem que ter prioriodade número 1 para o enfrentamento da Covid, portanto, devo me manter afastado por periodo suficiente para me tratar das sequelas, o que não significa que seja necessario os 121 dias. Eu creio, em Deus e na ciência, que não será necessária uma licença médica de longo prazo. Assim como no hospital fui um paciente colaborativo, estou fazendo o mesmo nesta etapa pós-alta hospitalar”, prosseguiu.

No entanto, Manoel Ludgério deve ficar até o final de maio sem participar da vida pública de maneira intensa.

“Até final de maio, certamente estarei afastado de agendas públicas intensas, sessões da ALPB e atendimento ao público, mas tudo será orientado por profissionais da área médica”, finalizou.

 

PB Agora

Notícias relacionadas

Em 3 meses, ALPB aprova mais de 3 mil matérias e alcança 60% da produtividade de 2020

A Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB) aprovou 3.082 matérias nos três primeiros meses deste ano, o equivalente a pouco mais de 60% do total da produção parlamentar em 2020, que…

“O principal fiscal é a consciência”, diz Bruno, sobre restrições em CG

O prefeito Bruno Cunha Lima confirmou na manhã desta sexta-feira, 14, durante entrevista à Rádio CBN, que assina hoje um novo decreto com medidas ainda mais restritivas para a prevenção…