Ao lado da vice governadora Lígia Feliciano, o governador João Azevêdo (PSB), negou as especulações de que estaria prestes a migrar para o Partido Democrático Trabalhista (PDT), devido a crise instalada no PSB paraibano e do distanciamento político com o ex governador Ricardo Coutinho.

Apesar da crise socialista, João afastou a possibilidade de se filiar ao partido que carrega nomes filiados como o do deputado federal, Damião Feliciano e de sua esposa, vice-governadora Lígia Feliciano.

– Não. Infelizmente, vocês que fazem jornalismo, tem o livre arbítrio de escreverem o que querem. Eu fui a Brasília, tratei de uma reunião com bancadas e lá estive com vários deputados. Só que alguém escolheu uma foto minha e escreveu aquilo ali. Por isso, você deve perguntar ao jornalista que escreveu – disse Azevêdo.

A permanência no partido socialista também tem atiçado a curiosidade dos paraibanos, no entanto, o governador já antecipou que essa pauta não será a da vez.

– Não. Essa é uma discussão que vai ficar para o futuro – disse.

Ele veio anunciar um pacote de obras e serviços que contemplam a Rainha da Borborema, diante dos seus 155 anos de emancipação política, comemorados no dia 11 de outubro.

SL
PB Agora

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Veneziano repudia atitude de Bolsonaro convocando para ato contra o Congresso

O senador Veneziano Vital do Rêgo (PSB-PB) repudiou nesta quarta-feira (26) a atitude do presidente da República, Jair Bolsonaro, de convocar a população para um ato contra o Congresso Nacional…

Eduardo Carneiro ressalta importância da nomeação de paraibana no INSA

A professora da Universidade Federal de Campina Grande (UFCG), Mônica Tejo Cavalcanti, foi nomeada para dirigir o Instituto Nacional do Semiárido (INSA), do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações.…