Por Eliabe Castor

A história é sábia. Quando algo não vem dando certo, passa-se dias, centenas de anos ou milênios, “milênios no ar”, como falou Chico Buarque na sua bela canção “Futuros Amantes”. E buscando uma correlação, digo, com a mais certeza, sendo aqui redundante, que a Câmera Municipal de João Pessoa (CMJP) passará por uma renovação, diria eu, quase histórica.

A minha base está fundamentada não só nas minhas próprias prospecções empíricas, mas em dados científicos, no caso em pauta, os coletados pelo Sistema Arapuan de Comunicação e o Instituto Consult, que divulgou, na tarde desta quarta-feira (21), a primeira pesquisa referente a disputa para vereador de João Pessoa nas Eleições 2020.

Dos 27 mais lembrados, 15 são ou já foram vereadores de mandato e 12 são novatos na disputa. O que chama a atenção são os números. Pai do deputado estadual Felipe Leitão (Avante), e vice-presidente da Assembleia Legislativa da Paraíba, Mikika Leitão (MDB) lidera com boa folga o pleito. Em parte por seu próprio carisma, a outra, pela boa desenvoltura do próprio filho que, entre tantos projetos de lei emplacou, como exemplo, um que garante aos paraibanos o parcelamento em 12 meses dos valores de contas do serviço de distribuição de energia elétrica e de abastecimento de água e coleta de esgoto, cujos vencimentos estejam dentro do período de Estado de Calamidade Pública na Paraíba.

Vem de Felipe Leitão, ainda, a licença à maternidade que é concedida de imediato, a partir do momento da descoberta da gravidez pela servidora ou empregada pública. A lei estabelece ainda que o direito à licença maternidade automática alcança a todas as funcionárias que tenham qualquer tipo de vínculo com o Governo do Estado, seja efetivo, comissionado ou contratado, sendo prorrogado o benefício para as funcionárias que gozavam o direito à licença na data de 1º março de 2020.

É claro que todas essas benesses legítimas favorecem Mikika Leitão, que já foi deputado estadual e, em dobradinha com o filho, que foi vereador na Casa de Napoleão Laureano por duas vezes, seu nome é lembrado com bastante vigor.

Números falam por si só!

Em ano eleitoral, cujo cidadão ou cidadã está descrente com a chamada “classe política”, um dado chama a atenção de qualquer ser humano que vote e habite na Capital. Das 27 vagas no Parlamento Mirim pessoense, apenas 15 são ou já foram vereadores de mandato e 12 são novatos. Já falei isso no início do texto.

Contudo, indo para a perspectiva percentual, 44,4% dos postulantes são novatos e 55,5% exercem ou já exerceram um assento na CMJP. Em temos gerais, quase um empate, e isso conta muito, pois o eleitor de hoje não se contenta com dentaduras ou óculos de grau. Ele quer emprego, dignidade e estabilidade para si e sua respectiva família. No meu ponto de vista, ponto para o eleitorado.

Eliabe Castor 

PB Agora

Por Eliabe Castor

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Festa de Nossa Senhora da Conceição começa em CG e vai até dia 08; veja programação completa

A festa de Nossa Senhora da Conceição, Padroeira de Campina Grande, foi aberta na noite deste domingo (29), na Catedral Diocesana, na Avenida Floriano Peixoto, no centro da cidade. Este…

Senador defende chapa majoritária em 2022 com Daniella ou Aguinaldo

Pelas projeções do senador Diego Tavares (Progressistas), a participação da senadora Daniella Ribeiro ou do deputado federal Aguinaldo Ribeiro em uma chapa majoritária para disputar o Governo do Estado em…