Os erros do passado repercutem no futuro. Tal afirmação é uma lei natural, algo próximo a ação e reação. E seguindo essa linha de raciocínio, as áreas que podem ser atingidas pela premissa exposta são vastas, estando nesse contexto a política partidária. Exemplo concreto está na pessoa do prefeito de João Pessoa, Luciano Cartaxo (PV), que tem quase 70% de aprovação dos que residem na Capital, de acordo com a pesquisa realizada pelo Instituto Opinião e divulgada ontem.

A pontuação de Cartaxo é alta, o que mostra acertos em sua gestão administrativa. Mas, como disse no início do texto, erros repercutem no futuro, e o chefe do Executivo pessoense já percebeu sua falha, preferindo adiar para o próximo ano o nome que irá apoiar. Busca o alcaide costurar uma aliança que possa mostrar alguém em condições de disputar o pleito de 2020 com reais chances de sucedê-lo.

A tarefa é hercúlea, difícil diria, pois foi o próprio Cartaxo que edificou uma ilha, passando a “viver” nela como ermitão, recebendo apenas cartas dos seus aliados e enviando mensagens de repulsa ao longo da sua gestão àqueles que o apoiaram, especialmente os dissidentes do então “Coletivo Girassol”, capitaneado pelo ex-governador Ricardo Coutinho (PSB).

Ainda houve a ruptura com o Partido dos Trabalhadores, sigla que Luciano Cartaxo esteve filiado por duas décadas, sendo por ela eleito vereador da Capital, vice-governador, deputado estadual e prefeito de João Pessoa na sua primeira gestão. Sua saída da agremiação partidária foi considerada, pelos petistas, como um gesto de traição, o que praticamente sepulta uma reaproximação entre o gestor e seu ex-partido.

Outro atropelo grave. Luciano Cartaxo, tido como candidato certo ao governo do Estado nas últimas eleições, estando ele bem ranqueado para enfrentar o então candidato João Azevêdo (PSB), apoiado por Ricardo Coutinho, além do senador José Maranhão (MDB), preferiu desistir da sua postulação. O fato deixou seu grupo político desarmado, por não ter tempo de trabalhar outro nome.

Resultado: Luciano lançou seu irmão, Lúcélio Cartaxo. Pouco conhecido no Estado, e enfrentando Ricardo Coutinho, que sempre gozou de ampla aprovação popular, além do forte grupo aliado do socialista, Lucélio sucumbiu, sendo vencido por João Azevêdo no primeiro turno.

Após a derrota nas eleições passadas, o prefeito de João Pessoa ficou ainda mais isolado, observando seu umbigo e os aplausos tortos da sua bancada na Câmara Municipal que, embora seja numerosa, não possui nomes com densidade eleitoral para uma disputa majoritária. E assim está Luciano Cartaxo. Possuidor de boa aprovação popular mas, como um rei sem sucessor, pensativo e até certo ponto amargurado pela condição que ele mesmo criou.

Eliabe Castor
PB Agora

Total
0
Compartilhamentos
Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

PL de Vené proíbe taxa diferenciada por curso em inscrição para vestibular

Comissão do Senado aprova projeto de Veneziano que proíbe taxa diferenciada por curso, em inscrição para vestibular A Comissão de Educação, Cultura e Esporte do Senado Federal (CE) aprovou o…

Após quatro meses no cargo, prefeito de Patos, Sales Jr renuncia mandato

No início da tarde desta terça-feira (20), o prefeito de Patos, Sales júnior, do PRB, comunicou a sua renúncia ao mandato. Sales estava no cargo desde abril deste ano, quando…