Por Wellington Farias
 
 

Começou a conhecida ladainha das empresas de transportes coletivos de João Pessoa por aumento de tarifas de passagens.

A pergunta que já se faz é: será que o prefeito Cícero Lucena vai cair na esparrela e ceder às pressões empresariais, ou irá pensar um pouco na situação do coitado do trabalhador, no servidor público especialmente?

Porque, se o trabalhador e o servidor público não tiveram aumento de vencimentos, como poderão arcar com o aumento das suas despesas decorrentes de uma eventual elevação das tarifas de transporte? Já não basta a inflação verificada no ramo dos gêneros alimentícios, do botijão de gás?

Quaisquer que sejam os argumentos do empresariado é preciso entender que eles representam o setor mais forte, com muito mais lastro para suportar os efeitos de uma crise do que os trabalhadores.

A lógica então deveria ser: da mesma forma que se leva em conta as planilhas de custo das empresas, deve-se observar a relação dos vencimentos dos trabalhadores os seus gastos.

O truque
O prefeito Cícero Lucena precisa estar atento para não cair no velho truque, que consiste no seguinte: a turma reivindica o aumento num patamar absurdo – e que jamais será concedido – na expectativa de que o poder público lhe conceda o aumento das tarifas num patamar abaixo do reivindicado. No frigir dos ovos, então, eles conseguem o aumento que de fato desejam.

Vejam o histórico dessa relação das empresas com a Prefeitura de João Pessoa. Tem sido sempre assim: depois de uma longa “discussão”, o prefeito geralmente não concede o aumento das tarifas no patamar “reivindicado” pelas empresas, mas o faz em termos um pouco mais modesto que, na verdade, corresponde exatamente ao “de fato desejado pelo empresariado”.

De qualquer forma, aguardemos os desfechos dessa história, apelando para que o bom senso prevaleça.

No senado
Pela primeira vez na história do Senado brasileiro no mesmo plenário estarão mãe e filho em pleno exercício do mandato parlamentar.

A ex-deputada Nilda Gondim, mãe do senador Veneziano Vital do Rego, deve assumir ainda esta semana o mandato de senadora, na condição de primeira suplente de José Maranhão, que está acometido de Covid-19 num hospital de São Paulo.

José Maranhão, depois de mais de um mês internado, licenciou-se do Senado da República.

 
 

Por Wellington Farias

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Ruy cobra reabertura imediata do Congresso por causa da pandemia

Com o agravamento da pandemia no Brasil e a situação de calamidade em Manaus, o deputado paraibano Ruy Carneiro defendeu a imediata suspensão do recesso parlamentar da Câmara Federal e…

Twitter diz que post de Bolsonaro sobre ‘tratamento precoce’ da Covid viola regras

Rede social colocou alerta sobre ‘publicação de informações enganosas’. Este tipo de medida restringe a circulação do tuíte, mas ele continua disponível na rede social. O Twitter colocou por volta…