Por pbagora.com.br

O presidente do Tribunal Regional Eleitoral da Paraíba (TRE-PB), desembargador Joás de Brito, afirmou durante entrevista, essa semana, que a adoção do voto impresso pode gerar mais suspeita do que a votação por meio de urna eletrônica. A proposta que tramita no Senado prevê a impressão dos votos para uma urna para que possa ser auditado em caso de contestação.

“Se um houver um travamento, o que é muito comum com impressora, nesse caso haveria a quebra do sigilo porque o técnico teria que abrir para verificar. Isso traria mais facilidade para se comprar mais votos, que é uma prática comum no Brasil, infelizmente”, observou.

Para Joás, para se gerar uma confusão deliberada para beneficiar um ou outro candidato, bastaria um fiscal retirar uma cédula e o número aferido pela urna eletrônica seria diferente da contagem na urna com as impressões.

“O outro fator é humano. E se tiver uma pessoa ali que queira beneficiar candidato A ou B, basta ele retirar uma das cédulas que não vai bater com o voto eletrônico. Isso vai criar uma confusão muito grande e a suspeição vai aumentar muito mais”, afirmou.

 

Da Redação

Notícias relacionadas

Ricardo Barbosa assume comando da Unale com licença da presidente

O deputado estadual Ricardo Barbosa tomou posse, na última quarta-feira (9), como presidente interino da União Nacional dos Legisladores e Legislativos Estaduais (Unale). O parlamentar é o vice-presidente da entidade…

Efraim parabeniza grupo Rio Alto por investimentos bilionários na Paraíba

Cumprindo agenda no estado da Paraíba, o deputado federal Efraim Filho recebeu em seu escritório político representantes da “Rio Alto Energias Renováveis”, grande investidora de energias renováveis, principalmente energia solar,…